Descubra 6 habilidades que estão em alta no mercado

Udacity Brasil
22 de fev de 2018

Há uma década à frente da Hays, uma das maiores empresas de recrutamento do mundo, Alistair Cox fez carreira ao se antecipar às tendências do mercado de trabalho.

Não é surpresa, portanto, que esteja pensando nas oportunidades e desafios profissionais de um futuro transformado pela tecnologia, que muitos chamam de "quarta revolução industrial".

Em uma postagem no LinkedIn, Cox apresenta um cenário em transformação, mas repleto de possibilidades – especialmente para quem estiver disposto a colocar a mão na massa e investir em educação contínua.

Cox espera que, nos próximos cinco a dez anos, todos que estão na força de trabalho vejam suas carreiras transformadas de maneira intensa. E enquanto algumas oportunidades deixarão de existir, outras surgirão naturalmente em seu lugar.

"Ninguém pode ficar parado", avisa o executivo. "Empregadores precisam deixar seus pipelines de talento à prova do futuro. Funcionários e candidatos precisam fazer tudo que podem para assegurar sua empregabilidade futura. Nunca é cedo demais para agir sobre estas questões."

Ele destaca, mais de uma vez, que seu conselho é para todos os profissionais, mesmo aqueles com diversas qualificações formais. "Estima-se que a meia vida de habilidades aprendidas seja de cinco anos – e alguns dos melhores líderes que conselho são modelos de educação contínua."

Leia: Saiba como ter uma carreira como desenvolvedor front-end

6 habilidades em alta no mercado de trabalho

Hard skills

Análise e visualização de dados
Os dados vieram para ficar. "As montanhas de informação digital cresceram e a ascensão da Internet das Coisas (IoT) acelerou isso", explica Cox.

Saber o que fazer com eles não é algo restrito à área de tecnologia, continua. Marketing, finanças e logística, entre muitas outras áreas, estão em busca de profissionais com habilidades para analisar e apresentar dados relevantes e confiáveis.

Há diversas maneiras de atuar com ciências de dados (cientista de dados, analista de dados, artista de dados e visualizador de dados são alguns postos específicos), todas com a mesma essência: "transformar zeros e uns em insights acionáveis".

Vale destacar que o aspecto de visualização de dados é crucial aqui. É preciso transmitir seus achados e conhecimentos de maneira amigável e para diversos tipos de público, não apenas aqueles que têm conhecimentos estatísticos.

Leia: Saiba como seguir carreira em data science em 7 passos

Inteligência artficial combinada com visão de negócios
Profissionais que vão além dos aspectos técnicos de inteligência artificial (IA) terão diversas possibilidades de trabalho, afirma Cox.

Desenvolver uma visão de negócios permitirá que eles enxerguem como aplicações de IA podem otimizar e aprimorar processos e oportunidades – o que vale muito hoje em dia.

Desenvolvimento front-end
Desenvolvedores habilidosos estão em alta, particularmente aqueles que tem experiência com criação de interfaces de usuário (user experience, ou UI) e desenvolvimento front-end.

O motivo é simples: as empresas estão evoluindo suas ofertas digitais para atender as expectativas dos consumidores, e uma boa interface faz toda a diferença.

"Java e linguagens de programação escaláveis seguem preferidas, embora ainda exista uma necessidade de fluência em C++", escreve Cox.

Leia: Como ter uma carreira como desenvolvedor front-end

Soft skills

Comunicação
"Criatividade, colaboração, interpretação humana e habilidades de comunicação estão no topo da lista de coisas que empregadores buscam em candidatos", fala Cox.

Os trabalhos mais cobiçados envolvem transformar o que é complexo em algo digerível, seja para colegas (pense em um cientista de dados apresentando seus insights para a empresa) ou para clientes (pense num pitch de vendas de uma tecnologia complexa para as massas).

"Os candidatos que se destacam não só produzem soluções inteligentes para desafios, como conseguem criar embalagens criativas e que comunicam como, quando e onde serão implementadas."

Adaptabilidade
Ter vontade de aprender e se adaptar – algo bastante facilitado por aulas online de qualidade, como os cursos abertos e Nanodegrees da Udacity – nunca foi tão importante.

"Meu conselho para qualquer candidato seria preencher qualquer lacuna de conhecimento que você tenha ao se manter atualizado sobre tendências e mudanças relevantes em seu setor", fala Cox.

Ele sugere que profissionais arrangem tempo para ler relatórios e notícias, participar de discussões online e estar presente em eventos importantes.

"Atualizar suas habilidades constantemente, seja através de cursos formais ou aprendizado prático, ajuda a garantir que seu talento se mantenha relevante", escreve.

Leia: Bolsa alemã cria índices para empresas que trabalham com inteligência artificial

Flexibilidade
Horários flexíveis e trabalho remoto não são mais exceções: não faltam exemplos de empresas de todo porte e indústria que adotaram esse modelo, de grandes escritórios de advocacia às startups de realidade aumentada do Vale do Silício.

O que essa nova realidade exige do candidato, no entanto, é um alto grau de flexibilidade, que vem envolvida em autoliderança, automotivação e autonomia para focar no trabalho e priorizar, por conta própria, o que precisa ser feito.

"Certifique-se de que você pode demonstrar esses traços quando estiver em uma entrevista de emprego, ou que pode oferecer essa flexibilidade se você estiver procurando contratar os melhores talentos", conclui Cox.

Leia: Em busca de emprego? Não se intimide com as exigências da vaga