23 de mai de 2018

3 aceleradoras de startups explicam seu processo seletivo

Udacity Brasil

Qualquer empreendedor sonha ver o negócio crescer. Muito. E em pouco tempo, de preferência. Mas o caminho para o sucesso sempre guarda surpresas e desafios. Poucos incentivos governamentais, burocracia e falta de know how são alguns dos problemas normalmente enfrentados para manter startups funcionando.

É comum que, na fase inicial do negócio, o empreendedor sinta que está navegando sem mapa, à própria sorte. Nesse cenário, contar com o apoio de uma aceleradora costuma fazer toda a diferença.

As aceleradoras são empresas que apostam em startups com potencial de crescerem muito rápido, ou seja, que tenham negócios escaláveis. Elas fornecem apoio e ajudam a conseguir investimentos para dar fôlego às atividades, impulsionando o crescimento em pouco tempo.

E uma boa notícia para brasileiros? Segundo um estudo recente da Fundação Getulio Vargas, o país tem 41 aceleradoras em atividade, o que representa quase um quinto das aceleradoras no mundo.

Baixe gratuitamente: Glossário de Marketing Digital

Dados que falam por si

Ninguém abre uma empresa para vê-la fracassar. Mas é isso o que acontece com muitas startups que surgem no país.

Segundo um estudo publicado em 2016 pela Startup Farm, 74% das startups brasileiras fecham após os cinco primeiros anos de existência e outras 18% vão à falência antes de completar dois anos. Ou seja, apenas 8% sobrevivem para contar história.

Os principais motivos para isso, segundo a pesquisa, são os desentendimentos entre os sócios e também a dificuldade em oferecer serviços ou produtos inovadores que sejam bem aceitos e validados pelo mercado.

Nesse quesito, as aceleradoras, que coletivamente têm mais experiência nesse ambiente, podem ajudar no processo de definição ou ajuste do modelo de negócios. As sugestões que elas dão para mudanças nos serviços ou produtos também visam uma maior adequação à realidade de mercado. Assim, as chances de sucesso aumentam substancialmente.

Aula inicial do curso aberto Como Construir uma Startup, da Udacity

Startups que entram em programas de acelerações são imersas em um ecossistema inovador de empreendedorismo, que fornece novos insights para oxigenar os negócios e fazê-los crescer.

As aceleradoras também oferecem espaço para trabalho, mentoria e uma boa rede de contatos que permite ao empreendedor conseguir investimentos, fazer parcerias e até internacionalizar sua startup.

Esse conjunto de benefícios se soma uma competição crescente por espaço, o que torna a informação a melhor amiga de quem quer conquistar um lugar em uma determinada turma.

Assim, não basta a boa vontade ou a boa ideia. É preciso estudar qual é a aceleradora correta para cada startup e qual é o momento certo de pleitear uma vaga.

Leia: Entenda o que é e baixe um modelo canvas para criar seu business model

O que as aceleradoras querem

Afinal, o que as aceleradoras buscam em uma startup? O que chama a atenção delas? Em que fase a startup deve estar para procurar por uma aceleradora? O que o empreendedor pode esperar? Quais são os erros mais comuns?

A Udacity entrevistou três grandes aceleradoras do Brasil para responder essas e outras perguntas. A seguir, confira as dicas da ACE, Artemísia e Liga Ventures.

Aceleradora ACE

Fundada em 2012, a empresa já acelerou mais de 130 startups e ganhou prêmios pelo trabalho realizado. Jose Gutiérrez, Chief Recruitment Officer da ACE, dá as dicas para os empreendedores.

Como a startup é escolhida na ACE

O processo de seleção é totalmente objetivo e baseado em dados. São quatro fases no processo:

  1. Análises da inscrição (critérios básicos)
  2. Análise aprofundada
  3. Análises do produto e métricas
  4. Apresentação presencial com perguntas sobre equipe, produto, modelo de negócio, mercado e métricas.

As empresas selecionadas para a fase de crescimento ainda devem passar em uma última entrevista com dois partners da ACE, pessoas que já avaliaram no mínimo cem startups.

Todo esse processo visa afastar fatores subjetivos da avaliação, focando em informações e dados que possam ser confirmados.

Quais são os pontos mais importantes

A ACE destaca cinco pontos que considera mais importantes durante a avaliação de startups: 1) equipe; 2) produto; 3) mercado; 4) nível de execução; 5) timing.

Características em comum das startups aceleradas pela ACE

Todas elas têm equipe multidisciplinar, com bom background no setor onde atuam e com um alto poder de execução. Além disso, o programa da ACE é dividido em duas fases, validação e crescimento, e cada uma delas requer características específicas.

Na fase de validação do programa da ACE, as características mínimas das startups são: ter clientes beta; ter no mínimo um fundador dedicando-se full-time; ter MVP; ter tecnologia proprietária e ter CEO e CTO.

Já na fase de crescimento do programa, pode-se destacar as seguintes características: ter clientes pagantes; todos os fundadores trabalhando full-time na startup; ter taxas de crescimento por três meses consecutivos de: clientes, usuários, MRR ou faturamento; ter tecnologia proprietária; ter CEO, CTO e diretor de vendas e, por fim, os fundadores devem ter a maioria do equity da empresa.

O que impede uma startup de ser acelerada pela ACE

Há poucos critérios que tornam uma startup inviável, mas a ACE é rigorosa com empreendedores solitários, tecnologia terceirizada, fundadores com menos de 50% da empresa e modelo de negócio como franquia ou e-commerce.

O que diferencia um bom pitch para a ACE

A ACE acredita que todo pitch deve ter uma estrutura básica e sugere a seguinte sequência: 1) problema que a startup quer resolver; 2) solução oferecida pela startup; 3) tamanho do mercado (pela metodologia TAM, SAM e SOM); 4) modelo de negócio, incluindo como monetizar; 5) concorrência nacional e internacional; 6) diferenciação e proposta de valor; 7) equipe; 8) próximos passos; 9) fechamento: visão da empresa.

Para a ACE, se o problema a ser resolvido não fica claro ou não parece importante e ainda se a solução oferecida não parece boa, a atenção já costuma ser perdida logo no início do pitch. O problema tem que ser grande o suficiente e a solução, empolgante. Isso, junto com um mercado gigante, faz com que o restante do pitch seja mais atraente para quem avalia.

O que é um MVP? Aprenda no vídeo acima

Aceleradora Artemisia

A Artemisia é uma organização que nasceu em 2004 e desde então apoia negócios de impacto social, que ajudam a resolver os problemas da população de baixa renda no Brasil.

Em 2010 foi estruturada uma aceleradora com o objetivo de selecionar empreendedores com forte intenção de crescer e gerar impacto social. Até hoje, mais de 107 negócios já foram apoiados. Priscila Martins, gerente de relações institucionais da Artemísia, explica o processo da organização:

Como a startup é escolhida na Artemisia

A equipe utiliza um processo bastante criterioso, que analisa diversos pontos do modelo de negócio e do empreendedor, sendo eles:

  1. se o impacto social é intrínseco ao negócio e resolve algum desafio da população brasileira de baixa renda
  2. se o problema que o empreendedor busca resolver é real e se a solução pode ser lucrativa
  3. se o empreendedor já tem um protótipo ou produto final
  4. se a solução do negócio é escalável
  5. quem está ao lado do empreendedor nessa jornada
  6. se o empreendedor consegue mensurar seu mercado
  7. se o empreendedor está aberto a feedbacks
  8. se existe genuína intenção de gerar impacto social
  9. se o empreendedor está completamente focado em seu negócio

Características em comum das startups aceleradas pela Artemisia

Os programas de aceleração mapeiam e apoiam negócios em diferentes estágios, de acordo com seus principais desafios e objetivos – desde startups em fase de prototipagem, validação de produto, validação de mercado até negócios em estágio de crescimento.

A faixa de faturamento e número de funcionários têm variações pelo estágio e pelo setor que atuam. No geral, as startups que estão iniciando sua trajetória priorizam equipes enxutas e altamente produtivas para garantir a sustentabilidade do negócio, que ainda não tenham tanto fôlego financeiro.

O principal ponto em comum entre as aceleradas é a genuína intenção de seus empreendedores em gerar impacto social no setor que atuam, com soluções que tragam inovações para contribuir para resolução de desafios sociais ou ambientais.

O que impede uma startup de ser acelerada pela Artemisia

Não são acelerados negócios que ainda estejam no papel, ou seja, que são uma mera ideia. No que se refere à solução, não são apoiadas startups que não tenham o compromisso central de gerar impacto social ou ambiental.

O que diferencia um bom pitch para a Artemisia

É importante aproveitar ao máximo os poucos minutos ali disponíveis para transmitir os pontos principais do negócio de forma direta e ao mesmo tempo inspiradora.

O que diferencia é uma boa narrativa, de forma clara e objetiva, que contemple: 1) solução, proposta de valor, público-alvo, problema que resolve e modelo de negócio; 2) o impacto social ou ambiental que será gerado, como aspecto central de tudo o que está sendo dito; 3) por que a solução proposta é a melhor em comparação ao que já existe hoje no mercado; 4) apresentação do perfil da equipe e suas competências; 5) o futuro esperado para o negócio e quais as próximas metas.

A aceleradora ressalta que o processo de busca por negócios na Artemisia é constante, de modo que estão sempre abertos a conhecer novos empreendedores. Interessados devem preencher o formulário do site da Artemisia.

Aceleradora Liga Ventures

Fundada em 2015, a Liga Ventures é pioneira no mercado de aceleração corporativa, trabalhando junto a companhias que buscam por startups para acelerar. A Liga Ventures já organizou centenas de eventos e acelerou 34 startups em 2017. A seguir, conheça as dicas de Guilherme Massa, co-fundador da Liga Ventures.

Como a startup é escolhida na Liga Ventures

A Liga Ventures promove diferentes programas de aceleração em parceria com grandes empresas, como Unilever, Brink's, Tivit, Webmotors, Mercedes-Benz, AES Brasil, Porto Seguro e Cisco, por exemplo. Cada programa tem suas especificidades, de acordo com o nicho de mercado a que se destina.

Características em comum das startups aceleradas pela Liga Ventures Os programas de aceleração da Liga Ventures são adaptáveis às realidades de cada startup, por isso, não há regra extremamente rígida em relação ao faturamento ou ao tipo de cliente (B2B ou B2C), por exemplo.

Mas, no geral, a maioria das startups selecionadas têm em comum: 1) produto ou serviço definido, ou seja, já "na rua"; 2) modelo de negócio definido; 3) equipe coesa e multidisciplinar, com com experiência na área de atuação; 4) entre um e dois anos de existência.

O que impede uma startup de ser acelerada pela Liga Ventures

Há algumas situações em que a aceleração se torna inviável, como negócios que existem apenas no plano das ideias e nunca saíram do papel. Por outro lado, também não é possível ajudar empresas que já têm mais de dois anos de existência ou que estão muito maduras.

Empreendedores que fazem tudo sozinhos (sem uma equipe) ou times muito arrogantes, que não aceitam feedbacks e sugestões, também tendem a ficar de fora dos programas de aceleração.

O que diferencia um bom pitch para a Liga Ventures

Antes tudo, o brilho no olho do empreendedor é essencial na Liga Ventures. Mostrar que tem paixão pelo negócio e que realmente se importa com o problema que se propõe a resolver é fundamental.

Pitches muito racionais ou puramente técnicos não costumam agradar. O empreendedor precisa mostrar que conhece o problema a fundo, que conversou com muitas pessoas que passam por aquele problema e que ouviu especialistas no assunto.

Além disso, é preciso enfatizar qual é o diferencial da startup, como e por que ela é melhor do que as soluções que já estão no mercado. É fundamental tangibilizar tudo isso – seja com dados, números ou comparações – para que as ideias fiquem claras para a audiência que está assistindo ao pitch.

Leia também:

Sobre o autor
Udacity Brasil

A Udacity, conhecida como a "Universidade do Vale do Silício", é uma plataforma online e global que conecta educação e mercado para ensinar as habilidades do futuro – de data science e marketing digital à inteligência artificial e desenvolvimento. Hoje, há mais de 7 mil alunos ativos no país e 50 mil pelo mundo.