18 de jan de 2018

8 técnicas para aumentar o ROI de suas campanhas de mídia

Udacity Brasil

De acordo com a Content Trends 2017, o Facebook Ads e o Google AdWords são as táticas de publicidade paga mais utilizadas pelas empresas brasileiras. Hoje, 36,9% dessas organizações investem até 10% do orçamento total de marketing no Facebook, a maior rede social do mundo, assim como 32,5% delas destinam essa mesma quantia para a ferramenta de marketing digital oferecida pela empresa de Larry Page e Sergey Brin.

As campanhas de mídia paga, portanto, estão se tornando uma prática cada vez mais frequente no dia a dia de profissionais que atuam com marketing digital. Essa estratégia pode trazer inúmeros benefícios, como garantir maior visibilidade para a marca, gerar maior tráfego, proporcionar controle sobre o investimento, melhorar a segmentação do público, fidelizar o cliente e trazer resultados mais rápidos.

Porém, para medir o desempenho e a lucratividade dessas campanhas, é necessário calcular o ROI — ou, em português, o retorno sobre o investimento. Com esse indicador-chave, é possível enxergar a rentabilidade da estratégia — e o que deve ser melhorado.

No entanto, muitas empresas se sentem frustradas quando não conseguem um retorno satisfatório para seus investimentos em mídia paga. Pensando nisso, vamos abordar como aumentar o ROI de suas campanhas de mídia paga em 8 passos.

Quais são os tipos de campanhas de mídia paga?

Antes de definir os passos, é pertinente apresentar alguns termos e tipos de mídia paga comumente mencionados e utilizados em campanhas.

Redes sociais

As redes sociais são muito usadas nessa estratégia, pois estes canais têm uma grande diversidade de público, que pode ser facilmente segmentado. Os dados coletados sobre os usuários são uma fonte valiosíssima para as empresas, inclusive. Essas informações permitem que a empresa direcione melhor a sua campanha, aumentando as chances de sucesso.

Além disso, as mídias sociais ajudam na atração e fidelização de clientes: ao interagir com o público, a marca se aproxima dos usuários e consumidores.

Os links patrocinados também são muito utilizados pelas companhias que desejam se destacar nas primeiras posições dos mecanismos de busca, como Google, Yahoo e Bing. Dessa forma, os conteúdos direcionados para certas palavras-chave são exibidos no começo da página de resultados da busca. Nessa prática, o Google AdWords pode ser utilizado para administrar toda a sua campanha.

Remarketing

Você já se perguntou por que, em suas redes sociais, apareceu um anúncio de um produto que você acabou de pesquisar? Isso é chamado de remarketing ou retargeting.

Nessa estratégia — usada para atrair aquele usuário que abandonou o carrinho na loja virtual e fazer com que ele retorne para o site, por exemplo —, uma marca aparece para o consumidor durante a navegação para lembrá-lo de algum produto que ele havia pesquisado.

Além do Google, plataformas como o AdRoll, ReTargeter e FetchBack também podem ser aproveitadas.

Como melhorar o ROI em mídia paga?

Existem oito passos que podem ajudar profissionais da área de marketing digital a aumentar o retorno dos investimentos em suas campanhas:

1. Segmente o público com base em dados concretos

Com a segmentação do público, fica mais fácil traçar uma campanha direcionada e que poderá atingir a sua persona — isto é, o seu cliente ideal. Assim, você consegue economizar nos investimentos e ter um melhor retorno. O Facebook, por exemplo, conta com mais de 2 bilhões de usuários e, por isso, tem o diferencial de possuir muitos dados fornecidos pelos usuários.

Segmentar o seu público com o Facebook Ads, portanto, é essencial para impactar um público que realmente se interessa pelo serviço ou produto oferecido pela sua empresa.

2. Faça análise avançada dos dados

Até 2019, 40% dos projetos de TI vão criar serviços digitais e fluxos de receita que monetizam dados, segundo a IDC (International Data Corporation).

Essa monetização mostra como a área de data science é importante para diversos setores das empresas — inclusive para o marketing. No entanto, há uma escassez de profissionais especializados na área e, por isso, as empresas contratam profissionais de outros segmentos para atuar em setores que usam análises preditivas e outras técnicas de BI (Business Intelligence).

Desse modo, é possível verificar relações de variáveis para segmentar ainda mais o seu público, ganhando uma vantagem em suas campanhas. Isso pode ser feito com ferramentas como o Power BI da Microsoft, uma forma muito eficaz e interativa de visualização de dados que ajudam o profissional na organização e apresentação dessas informações.

3. Defina as palavras-chave de forma estratégica

Para tornar as campanhas mais efetivas, faça uma pesquisa de palavra-chave e direcione melhor os seus anúncios de acordo com os interesses do seu público.

Você pode analisar as palavras-chave que geram mais ou menos retorno para você — e se basear nisso para saber o quanto investir na divulgação do conteúdo. Tudo isso pode ser feito por meio de ferramentas, como SEMrush, Google Trends, Google Keyword Planner e Keyword Tool.

Elas oferecem gráficos e dados avançados sobre o comportamento dos usuários na internet e quais são os termos mais procurados por eles.

4. Escolha o melhor posicionamento

Quando você cria anúncios no Facebook, por exemplo, eles são mostrados em diferentes posicionamentos na página e podem aparecer de formas diversas, dependendo do sistema. No entanto, vale lembrar que 40% das pessoas usam apenas o dispositivo móvel para fazer pesquisas na internet, segundo estudo do Google.

Para melhorar os resultados, é possível configurar as opções que delimitam os anúncios para desktop e dispositivos móveis, além dos sistemas operacionais utilizados pelos usuários. Assim, você consegue chamar a atenção do seu público mais facilmente. Mas, independentemente do sistema — iOS ou Android —, lembre-se de que a experiência do usuário deve ser pensada em primeiro lugar.

5. Otimize as páginas de destino

Melhorar o conteúdo do seu anúncio vai além de criar um bom título. É preciso se preocupar também com a página para a qual o usuário será redirecionado após o clique.

Ela tem um design atraente? Carrega rápido? Tem um bom texto que pode ser lido claramente em qualquer tamanho de tela? Cumpre o que foi prometido?

Tudo isso é importante para definir se o seu anúncio será realmente absorvido pelo consumidor. Ainda segundo a pesquisa do Google, 43% das pessoas acessam o site de outra marca quando uma página demora muito para carregar — ou quando não há uma navegação intuitiva.

Por isso, é importante trabalhar bem o front-end da página — com linguagens modernas e bastante utilizadas — para criar e executar interfaces web responsivas e de ótima performance.

6. Automatize suas campanhas

Ao realizar uma tarefa que demoraria muito mais tempo caso fosse feita manualmente, a automatização de campanhas facilita o trabalho dos profissionais de marketing — e torna a estratégia escalável.

O Facebook Ads e o Google AdWords possuem esse recurso, que, além de economizar tempo, ajuda a evitar erros e desperdício de dinheiro. Outras ferramentas e plataformas podem ser usadas para programar a execução de tarefas automáticas, como no caso de agendamento de postagens em blogs e redes sociais. Há diversas opções no mercado, como Buffer, Hootsuite e Postgrain.

7. Use CTAs para estimular o engajamento e a interação

A sigla CTA significa call-to-action — ou chamada para a ação. É um comando que estimula os usuários a continuarem no site para interagir com a marca ou para guiar o visitante para outros conteúdos. Nos anúncios do Facebook, por exemplo, você pode inserir botões com textos como: "Comprar agora", "Reservar agora", "Saiba mais", "Cadastre-se" ou "Baixar".

É importante lembrar que uma campanha de mídia paga não está necessariamente ligada à etapa de decisão (conhecido como fundo do funil de vendas). Você pode utilizá-la para atração e consideração do seu produto também. Confira alguns exemplos de como trabalhar CTAs de acordo com o estágio do funil em que o prospect se encontra:

  • Topo do funil: use o botão "Cadastre-se" para conquistar mais clientes e encaminhá-los para uma página de cadastro (como uma landing page, por exemplo);
  • Meio do funil: use o botão "Saiba mais" para alimentar os leads com conteúdos ricos que os encaminhem para uma página do site, a fim de entender melhor o comportamento e o interesse do visitante;
  • Fundo do funil: use o botão "Comprar agora" para direcionar os potenciais clientes para o e-commerce e aumentar as vendas com ofertas de descontos por tempo limitado.

8. Teste e mensure

Testar e mensurar são práticas essenciais para qualquer estratégia de marketing digital. Para isso, tente criar diferentes versões e use o Gerenciador de Anúncios para visualizar os resultados. Realizando testes A/B, é possível entender quais campanhas estão atingindo melhor as suas metas — e o que pode ser aprimorado.

Além disso, não se esqueça de analisar os dados em todas as fases das campanhas. Para isso, utilize as ferramentas de visualização de dados, com as quais é possível transformar o grande número de informação em gráficos objetivos e claros.

Quais são as técnicas de marketing do Vale do Silício?

No Vale do Silício, o atual pólo de inovação do mundo que abriga mais de 3 trilhões de dólares em valor de mercado, os passos citado aqui são utilizados diariamente de diversas formas – e há espaço aí para boas sacadas de marketing.

Confira no infográfico abaixo 7 hacks de grandes empresas do Vale do Silício para conseguir resultados cada vez melhores e inspire-se!

Prepare-se com a Udacity

E agora que você viu como aumentar o ROI das campanhas de mídia paga e analisou as grandes ideias de marketing do Vale do Silício, conheça o curso de marketing digital da Udacity e aprenda todos os conceitos e estratégias de forma prática e completa.

Sobre o autor
Udacity Brasil

A Udacity, conhecida como a "Universidade do Vale do Silício", é uma plataforma online e global que conecta educação e mercado para ensinar as habilidades do futuro – de data science e marketing digital à inteligência artificial e desenvolvimento. Hoje, há mais de 7 mil alunos ativos no país e 50 mil pelo mundo.