15 de fev de 2018

Saiba como ter uma carreira como desenvolvedor front-end

Udacity Brasil

Mudar de profissão é um processo que naturalmente envolve incerteza e preocupação, mesmo que a pessoa esteja bastante insatisfeita com sua situação.

Os últimos anos trouxeram outra camada de insegurança aos brasileiros que poensam no assunto: a crise econômica. A área de tecnologia no país, no entanto, continua aquecida.

Dentro desse contexto, Ronalson Vargas Mendes Filho decidiu aliar sua vontade de testar coisas novas e uma curiosidade por programação para deixar o design por uma carreira em desenvolvimento front-end.

A guinada, no entanto, não poderia ser feita de repente. Embora ofereça muitas vagas, o mercado de tecnologia exige profissionais qualificados, o que tornava a qualificação em si o primeiro passo.

“Dedicação – essa é a palavra que me vem à cabeça quando penso no que é preciso para conquistar espaço na área de tecnologia", fala. "É evidente que as oportunidades são muitas. Porém, é fundamental ter em mente que só um grande volume de vagas não é suficiente."

Formado em Publicidade, Ronalson decidiu investir no programa Nanodegree Desenvolvedor Web Front-End da Udacity. Desde novembro de 2017, é front-end developer da Stone, uma das maiores empresas do mercado de pagamentos do país.

Leia: 6 passos para se tornar um desenvolvedor mobile

Carreira em tecnologia e educação contínua

Para começar, diz Ronalson, é preciso ser realista em relação ao que essa trilha de carreira, que tem tantas opções, exige: um processo de aprendizado permanente.

“Não vai chegar um momento no qual você saberá tudo sobre uma linguagem ou uma ferramenta. Até porque você nunca deve parar em uma tecnologia específica. Você precisa estar em constante evolução”, ressalta.

Em sua experiência, este processo, que pode ser difícil no começo, flui de maneira mais natural conforme o indivíduo entende seu próprio ritmo e os ganhos que novos conceitos trazem.

Este é um ponto especialmente imporante para programadores iniciantes, que podem se ver desmotivados ao enfrentarem uma barreira no aprendizado ou um problema particularmente difícil.

“Por diversas vezes, você vai achar que chegou em um caminho sem solução e que isso não é para você", avisa. "Pense em outra coisa e volte para o problema em outra hora. É importante relaxar também.”

Além de organizar tempo para os estudos, Ronalson também recomenda que estudantes se envolvam com a comunidade de sua área de interesse.

É uma conexão que facilita os estudos de tecnologia em geral. Com a ajuda de colegas e outros profissionais, fica mais fácil tirar dúvidas e identificar o conteúdo que você precisa – só jogar algo no Google, por exemplo, pode trazer exemplos incompatíveis ou desatualizados.

"Procure por grupos, Meet Ups e eventos da área que te interessa e troque ideia com as pessoas. Nos grandes centros, esses eventos estão cada vez mais fortes e não é difícil encontrá-los. Para quem mora no interior, uma ótima alternativa é buscar por comunidades online."

Leia: 5 tendências de interface de apps que vão afetar os desenvolvedores

Curiosidade e um mercado em desenvolvimento

Hoje desenvolvedor de front-end, Ronalson não era um novato completo no ramo: em 2008, logo no início da faculdade de Publicidade, fez um curso de webdesign.

"Aprendi Flash e outras tecnologias que já se foram", lembra, apontando que são enormes as diferenças entre o cenário que entrou naquela época e o atual.

Já formado e com experiência em direção de arte, planejamento e mídias sociais, Ronalson entrou novamente em contato com a área de tecnologia em 2014, ao trabalhar com concepção e gerenciamento de produtos digitais.

“A gama era variada: aplicativos para museus, desenvolvimento de marketplaces de turismo, aplicação de gestão de negócios, projetos de realidade virtual, animações para holografia e diversos outros projetos de inovação”, lembra.

Em 2016, ativamente interessado pelo segmento, começou a frequentar eventos de desenvolvimento web no Rio de Janeiro e se aproximou de pessoas da comunidade.

“Isso foi nutrindo o meu velho desejo de aprender a programar. Foi no meu primeiro evento da área, o Front-End Carioca, que decidi mudar a chave e estudar mais profundamente para mudar de carreira."

Ronalson buscou conteúdos online, tentou diversos cursos e tutoriais online. Por fim, optou pelo Nanodegree da Udacity, que ele considera ter oferecido uma estrutura de estudo mais organizada, algo fundamental para trabalhar seu próprio estilo de aprendizado.

“O currículo pautado por projetos funciona muito bem como filtro dos assuntos e ferramentas que alguém precisa conhecer dentro da carreira de desenvolvimento web”, afirma. “Os conteúdos teóricos são ricos e muito bem explicados, e isso não é algo tão frequente no mar de conteúdo disponível online.”

Leia: React: o que é e como funciona essa ferramenta popular entre desenvolvedores front-end?

Conselhos para entrar no mercado de tecnologia

Com uma base sólida de conhecimentos em desenvolvimento front-end e uma grande vontade de mudar de carreira, Ronalson começou a planejar sua entrada no mercado.

A mesma comunidade de desenvolvedores que lhe ajudou a sanar dúvidas foi fundamental nesse momento. “Essas pessoas, muito provavelmente, serão responsáveis por te indicar para o primeiro emprego na área – foi isso que aconteceu comigo”, fala.

Ele recomenda também que o novo profissional compartilhe o conhecimento com os outros e curta o aprendizado constante, características fundamentais para aprimorar as habilidades e conquistar uma boa vaga de emprego.

Você também tem interesse na área e quer aprender as principais linguagens e ferramentas utilizadas na criação de sites e aplicações para a web? Conheça o programa Nanodegree Seja um Desenvolvedor Front-End!

Leia: Em busca de emprego? Não se intimide com as exigências da vaga

Udacity Brasil