Saiba como se tornar um programador em 8 passos

Udacity Brasil
24 de jan de 2018

Escutamos ao longo da vida vários conselhos de especialistas, familiares ou amigos dizendo o que deve ser feito para conseguir um bom emprego e ter uma carreira de sucesso.

Nossos avós foram aconselhados a ter diploma do ensino médio — e isso bastava! As gerações seguintes foram orientadas a se formar em uma boa universidade, tentar um concurso público e fazer aulas de inglês.

A partir da década de 1990 em diante, somou-se a esses conselhos a necessidade de possuir um mestrado, um MBA, vivência internacional e diversas outras experiências. Seguindo esse caminho, o sucesso seria garantido.

Mas os tempos mudaram — e se hoje há uma ótima dica que pode ser dada para quem quer ter sucesso é aprender a programar. Não importa a idade ou a motivação: ser capaz de criar sistemas, aplicativos e sites, além de relatórios de business intelligence e de análise de dados, é um diferencial cada vez mais visado pelas empresas.

No Brasil, a demanda por programadores tem crescido e há vagas disponíveis para especialistas em várias linguagens e tecnologias. Além disso, se você tem proficiência em inglês, é possível conseguir trabalhos remotos em empresas estrangeiras — ou até mesmo um emprego de desenvolvedor no exterior.

A transição para a carreira de programador pode parecer difícil para quem não tem vários anos de estudos e uma formação em Ciência da Computação. Mas a verdade é que o diploma, por mais que seja desejado pelos recrutadores, não é mais um pré-requisito. Assim, a mudança está ao alcance de qualquer um — basta aceitar o desafio e dedicar-se bastante.

Confira, então, oito passos para se tornar um programador!

1. Entenda o desafio

Para começar, é preciso aprender a lógica de programação e escolher uma linguagem — um conjunto padronizado de métodos e regras que dão instruções para um computador.

Assim como na aprendizagem de uma língua estrangeira, é preciso muito estudo para conseguir entender o significado e a estrutura dos códigos. Por isso, é fundamental ter um interesse verdadeiro e, principalmente, gostar de aprender coisas novas.

O importante é entender que programar não é uma habilidade que você vai aprender e dominar da noite para o dia — é preciso dedicação. Mas isso faz parte do processo! Todo programador está em constante evolução e, com muita prática e estudo, o aprendizado fica cada vez mais fácil.

Felizmente, a internet está cheia de bons materiais, cursos e certificações que colaboram — e muito — no processo de se tornar um programador.

2. Mantenha o foco em seu objetivo

“Aprender a programar” e “tornar-se um programador” são duas coisas diferentes. Por isso, saiba exatamente qual é a sua meta. Sem um objetivo claro, o caminho a ser seguido fica mais difícil e aumentam as chances de você desistir durante o processo.

Pense bem: o que você quer realmente atingir? Você quer ser capaz de colocar suas ideias em prática e criar um aplicativo próprio? Ou você já trabalha — ou quer trabalhar — na área de tecnologia, e realmente gostaria de colocar a mão na massa, buscando melhores oportunidades de emprego?

Para se tornar um programador, o seu objetivo idealmente deve ser parecido com um destes:

  • Quero trabalhar como desenvolvedor em uma empresa consolidada de tecnologia;
  • Quero ser desenvolvedor na empresa em que já trabalho;
  • Quero participar do time de desenvolvimento de uma startup e ajudá-la a crescer;
  • Quero ter flexibilidade para trabalhar remotamente em uma empresa nacional ou estrangeira.

Com o seu objetivo em mente, comprometa-se com ele, siga os próximos passos e não pare até atingi-lo.

3. Escolha uma linguagem de programação

Existem várias linguagens de programação e investir tempo escolhendo a “melhor” para começar a estudar pode ser uma tarefa trabalhosa. Tenha em mente que o processo de aprendizagem será parecido — independentemente da linguagem escolhida.

O importante, inicialmente, é aprender a pensar como um programador. E, acredite: uma vez que você entender bem uma linguagem, será muito mais fácil aprender outras. Inclusive, durante toda a sua carreira será preciso se manter atualizado, estudando novas tecnologias e ferramentas — isso faz parte do trabalho de um desenvolvedor.

Dito isso, é fundamental basear a sua decisão em dois fatores: mercado de trabalho e proximidade com outros programadores. Caso você já esteja em uma empresa de tecnologia, pode escolher a linguagem utilizada pelos seus colegas de trabalho. Eles sempre serão uma ótima fonte de ajuda e informação para você.

Uma possibilidade em especial é aprender a programar em Python. É uma linguagem moderna, com uma boa curva de aprendizado e altamente difundida — empresas como YouTube, Pinterest, Dropbox e Quora têm seus produtos desenvolvidos em Python. Além disso, ela possui uma grande comunidade bastante envolvida com as ferramentas, bibliotecas e fóruns — o que ajuda muito na hora de tirar dúvidas.

4. Comece seus estudos (e não pare mais!)

Agora que você já sabe a linguagem que quer aprender, é preciso iniciar os seus estudos. Mas por onde começar? O caminho mais fácil é por meio de livros, tutoriais ou pela inscrição em um curso de programação para iniciantes.

A vantagem de fazer um curso é que ele restringe o ensino ao necessário para que o aluno comece a programar do modo mais didático possível, principalmente para quem ainda não teve contato com a programação.

Uma vez iniciados os estudos, é importante seguir todos os passos, buscando entender a lógica por trás de cada código criado. Lembre-se de que o objetivo é começar a pensar como um programador.

5. Coloque o conhecimento em prática

De todos os passos citados, o mais importante é este: pratique o máximo possível. O melhor jeito de aprender é colocando a mão na massa, testando e melhorando o seu código. Dedique-se diariamente a esse tipo de tarefa — e vá além dos exemplos do tutorial ou curso.

A situação aqui é parecida com a de tirar a carteira de habilitação. Você pode fazer todas as aulas e até passar no exame de direção em poucos meses, mas só vai aprender a dirigir de verdade testando as suas habilidades diariamente no trânsito.

Ao praticar, você vai errar bastante! E isso é ótimo, pois, é compreendendo os erros que é possível aprender de verdade. A cada momento em que você se deparar com uma situação — um problema ou dúvida — que esteja atrapalhando o seu código, pare e respire fundo. É extremamente comum encontrar ajuda com outras pessoas que já passaram pela mesma situação.

6. Compartilhe conhecimento

Principalmente para quem está iniciando a carreira em programação, é fundamental interagir com outras pessoas que estão percorrendo o mesmo caminho. Há vários modos de participar de grupos e compartilhar o conhecimento.

Mais do que isso, com essa interação é possível conseguir tanto ajuda quanto motivação para seguir na carreira. Por isso, é muito importante:

  • Buscar comunidades online (sites ou redes sociais) sobre a linguagem de programação que você está aprendendo e novidades sobre o mercado de desenvolvimento;
  • Participar de palestras e eventos sobre tecnologia;
  • Ir a encontros de programadores e hackathons;
  • Acompanhar artigos de desenvolvedores mais experientes;
  • Assistir a palestras online;
  • Assinar canais e newsletters de tecnologia.

7. Crie seus próprios projetos

Não se limite a vídeos na internet e exercícios do curso. Comece o quanto antes a criar os seus próprios projetos.

Procure por problemas que você enfrenta no dia a dia e tente resolvê-los com o que você já aprendeu. Na verdade, criar soluções para problemas do cotidiano é exatamente o que todo desenvolvedor faz durante o trabalho.

8. Desenvolva as habilidades requisitadas pelo mercado

Para conseguir um emprego, você precisa suprir as necessidades das empresas. Procure saber o que elas avaliam na hora de contratar um programador. Para tanto, é interessante fazer uma pesquisa rápida por vagas de trabalho disponíveis. A maioria das companhias está em busca de pessoas capazes de produzir códigos de qualidade e que tenham habilidades interpessoais, como facilidade para trabalhar em equipe.

Outras competências — como entender sobre bancos de dados, métodos Scrum e Agile, revisão de códigos e saber trabalhar com controle de versões — são sempre apreciadas pelos entrevistadores.

Como visto, aprender a programar não é um processo fácil, mas é um diferencial para aqueles que desejam buscar novas oportunidades de emprego e carreira. Para atingir esse objetivo, é preciso muito esforço e muita prática — e isso depende somente de você. Para dar o primeiro passo, conheça o programa Nanodegree Introdução à Programação da Udacity!