15 de jun de 2018

FIFA cria app de análise de dados para seleções da Copa do Mundo

Udacity Brasil

Há uma linha tênue entre pouca informação e informação demais, pelo menos quando se trata das estratégias de cada seleção na Copa do Mundo: tudo precisa passar pelo crivo da FIFA, a organizadora do campeonato.

Em 2018, no entanto, há uma novidade envolvendo análise de dados: um tablet e um app feitos pela própria FIFA em parceria com a Victoria University e que tem como objetivo acompanhar a performance dos atletas em campos e, assim, aprimorar a interação entre analistas de partidas e treinadores.

O nome não é dos mais agradáveis – EPTS, que significa Electronic Performance & Tracking Systems –, mas o intuito é claro: usar a tecnologia para observar de perto cada movimento no gramado.

Cada seleção terá dois aparelhos, um para analistas que observam o jogo das arquibancadas e outro para a equipe de treinamento em campo, e os dados que os alimentam virão de duas câmeras que acompanham os movimentos dos jogadores e da bola.

Representantes da Victoria University e da FIFA falam sobre o EPTS

Tanto dados processados quanto dados ao vivo, com um atraso de 30 segundos, serão transmitidos para o analista, que poderá observar as métricas de cada jogador (como passes, velocidade, faltas e outras estatísticas), rever lances da partida e destacar áreas que devem ser levadas em consideração.

O analista também poderá desenhar suas considerações sobre uma imagem estática e enviá-las para a equipe em campo, com quem também pode se comunicar via rádio. O treinador-assistente, por sua vez, tem acesso ao analista e pode conversar com ele através do chat do app.

Durante o intervalo, treinadores podem aproveitar o tempo no vestiário para avaliar as análises que chegaram e tomar decisões. Por fim, depois da partida, o app também oferece uma análise completa. Mais um uso para data science!

Leia também:

Sobre o autor
Udacity Brasil

A Udacity, conhecida como a "Universidade do Vale do Silício", é uma plataforma online e global que conecta educação e mercado para ensinar as habilidades do futuro – de data science e marketing digital à inteligência artificial e desenvolvimento. Hoje, há mais de 7 mil alunos ativos no país e 50 mil pelo mundo.