Passo a passo: saiba como criar um app do zero

Udacity Brasil
6 de jun de 2017

O mercado de aplicativos é bilionário: um estudo feito pela Appnation revela que os apps devem movimentar 151 bilhões de dólares em 2017. Então se você tem uma ideia interessante, deve aproveitar para entrar nesse mundo tão variado. Antes de criar um app, no entanto, é preciso se informar sobre as diversas etapas do processo.

Em um mercado de grande concorrência (só a App Store, a loja da Apple, tem mais de 2 milhões de aplicativos disponíveis), além de ter uma ideia bem definida sobre o aplicativo que quer lançar, é importante entender como ele será desenvolvido.

Ter um projeto detalhado e bem estruturado é primordial para tirar o aplicativo do papel. É aí que entram as dicas reunidas aqui, que podem ajudá-lo a criar um app de forma planejada.

Assista ao webinar: Construindo aplicativos para Android

1. Identifique uma demanda a ser solucionada

O primeiro passo para a criação de um aplicativo é ter uma ideia. Os aplicativos servem para resolver problemas rotineiros da sociedade. Os problemas estão por toda parte e, para identificar uma demanda a ser solucionada, é preciso realizar um processo de brainstorming.

Para isso, o ideal é fazer um levantamento dos problemas que tem percebido no seu bairro, na sua cidade, ou mesmo relatados por amigos ou pessoas do seu círculo de relações, e, a partir disso, pensar em possíveis soluções. Vale lembrar que optar pela resolução de problemas que tenham escala pode tornar seu aplicativo mais rentável.

Além de identificar a demanda, é preciso fazer a validação da ideia, verificando se ela é real e procurando entender como ela será desenvolvida. Nesse primeiro momento, é válido prototipar a ideia, mesmo que manualmente, para analisar se ela vai funcionar.

Leia: Android x iOS: entenda as principais diferenças em programação e desenvolvimento

2. Defina as características do aplicativo

Depois de confirmar a escolha do tema do aplicativo e o nicho a que ele vai atender, o segundo passo é definir as principais características do app. Antes de pensar nos recursos básicos e em como ele será organizado, é preciso analisar quem irá usá-lo e com qual finalidade, para então:

  • Decidir em qual sistema operacional mobile ele vai funcionar (Android, iOS, Windows Phone)
  • Criar um protótipo usando uma ferramenta wireframe
  • Definir a estrutura de navegação do app
  • Definir o comportamento do app em situações online e offline
  • Levantar questões relacionadas a acessibilidade do app (por exemplo, se o público for daltônico precisa de cores específicas para usá-lo)
  • Criar um layout focado no público-alvo (por exemplo, se idosos vão usar o aplicativo, as teclas e letras não devem ser pequenas)
  • Usar padrões de interação conhecidos pelos usuários
  • Utilizar a regra dos 3 cliques: toda ação do usuário deve acontecer em no máximo 3 cliques
  • Decidir as integrações

As características do aplicativo devem ser ditadas pelo core business, sempre lembrando que um bom aplicativo deve ser rápido, dinâmico, oferecer uma experiência agradável ao usuário e ter funções e atributos que garantam o bom uso.

Leia: O mercado de React no Brasil: assista ao webinar da Udacity

3. Identifique o MVP

Para desenvolver um aplicativo, é preciso pensar no mínimo para que ele funcione, ou seja, no Mínimo Produto Viável (também conhecido como MVP, em inglês). Criar um app pensando em como ele pode ser completo pode atrapalhar o processo. O objetivo é focar o MVP, as principais funcionalidades e os requisitos e recursos essenciais.

Entregar ao usuário um app 100% completo pode ser um erro, já que ele provavelmente não usará tudo que o aplicativo oferece. Uma boa experiência não é sinônimo de uma prática completa, mas sim amigável. O ideal é colocar o app no ar, focado no MVP, para testar a adesão, modificando-o continuamente até alcançar as necessidades reais do usuário.

O objetivo é oferecer apenas os recursos centrais do aplicativo. Construir recursos elaborados e demorados vão atrasar e encarecer o desenvolvimento da primeira versão do app. Durante a evolução do aplicativo, será possível adicionar novos recursos e atualizá-lo à medida que forem constatadas novas necessidades dos usuários.

Leia: 7 habilidades exigidas pelo mercado de Android Developers

4. Defina a estrutura de dados

O aplicativo não é só interface; é preciso estruturar todas funcionalidades para que ele funcione perfeitamente. Para definir a estrutura dos dados, é fundamental considerar todos os detalhes do seu negócio.

A estrutura mínima do app envolve a criação de tabelas e de diagramas, como aqueles que lidam com:

  • Entidades e relacionamentos
  • Fluxo de dados
  • Armazenamento de arquivos binários
  • Imagens
  • Vídeos

Além disso, é preciso decidir se a estrutura estará apenas no smartphone ou na nuvem.

Leia: Saiba como ter uma carreira como desenvolvedor front-end

5. Defina o design da interface

O design da interface diz respeito à construção do aplicativo, de acordo com a perspectiva do usuário. É o momento de criar o wireframe, um protótipo que vai sugerir a estrutura do aplicativo. É uma ilustração que vai apresentar os elementos fundamentais da interface, como páginas e relacionamento entre elas.

Essa etapa envolve a criação das telas, do layout, de como vai funcionar o fluxo da navegação e qual será a interação entre as telas.

É importante destacar que o design do aplicativo é a principal informação para o usuário que irá percebê-lo e experimentá-lo. Preocupar-se com o visual do aplicativo é uma forma de tornar útil a tecnologia criada.

Leia: Competitividade entre aplicativos: saiba como conquistar a atenção do usuário

6. Integre as ferramentas necessárias

Além de definir a estrutura de dados e o design da interface do aplicativo, é preciso verificar quais ferramentas serão necessárias para analisar resultados e controlar o uso do aplicativo.

Ferramentas para análise de acesso, gestão de erros e banco de dados online, disponíveis na plataforma Firebase do Google, são essenciais para entender o comportamento do usuário e avaliar quais funcionalidades do app são realmente úteis.

Essas ferramentas contribuem para a detecção de erros em tempo real e a produção de relatórios dos problemas, para que seja possível corrigi-los com maior agilidade.

Além das ferramentas de análise, a integração com outras plataformas vai ajudar a escalar o aplicativo, viabilizando um banco de dados em real time, downloads e tratamento de imagens, geolocalização e pagamentos.

Leia: 9 ferramentas que agilizam o desenvolvimento Android

7. Desenvolva códigos e funcionalidades

Este é momento de desenvolver a plataforma do app. Para codificar os sistemas, é preciso uma Integrated Development Environment (IDE), ou seja, um ambiente integrado para o desenvolvimento do software.

O mais importante é decidir a melhor plataforma para atender ao público do aplicativo. Pode ser interessante optar por uma IDE que gera código para várias plataformas (como é o caso do Xamarin), ou uma IDE híbrida (um app que é metade nativo e metade web).

Para fazer o aplicativo funcionar, é preciso estar atento, pois cada sistema operacional mobile exige uma linguagem específica. O sistema Android tem a linguagem Java, o sistema iOS funciona com a Swif/Objective C e o Windows Phone com a linguagem C#.

Leia: Conheça 4 programadoras que fizeram história

8. Atualize gradativamente com novas funcionalidades

Depois de desenvolver os códigos e as funcionalidades da versão inicial, é possível testar, analisar e modificar constantemente os recursos do app, de acordo com a análise da experiência do usuário.

Caso se perceba a necessidade, os recursos podem e devem ser atualizados, assim como outros podem ser criados para as novas versões. Basta incluí-los em um documento de especificação, a fim de fazer o acompanhamento da organização estrutural do app.

A criação de um app está envolvida em um ciclo evolutivo. Sempre que uma nova versão é implementada, ela deve ser testada e, de acordo com a experiência do usuário, será possível pensar em novas funcionalidades e melhorias das existentes.

Stores como a Google Play permitem que se crie usuários beta e que se distribua a atualização em formato de stagged rollout, de forma que apenas eles a recebam e assim seja possível detectar algum tipo de erro ou avaliar o uso da funcionalidade sem gerar muito impacto.

Estes passos podem ajudá-lo a criar um app de forma organizada e eficaz. Caso esteja pronto para começar e construir um aplicativo, anote os passos e conheça os programas Nanodegree sobre desenvolvimento mobile da Udacity!

Leia: Porque Google, IBM e outras grandes empresas que não exigem diplomas