25 de mai de 2018

CryptoKitties: o que blockchain tem a ver com gatos digitais colecionáveis?

Udacity Brasil

Entre as criptomoedas mais famosas do momento, além da bitcoin, está a ether. Junto com ela veio sua tecnologia de blockchain, que registra de maneira praticamente indelével qualquer transação e é promissora quando se trata de aplicações em outros setores, como jurídico e supply chain.

Como o mundo sempre surpreeende, desde novembro de 2018 ambas vêm sendo utilizadas com enorme sucesso no jogo CryptoKitties, composto por gatos digitais customizáveis.

Uma criação da startup Axiom Zen, o game permite que usuários comprem, vendam e gerem desenhos de gatos com certos atributos (ou "cattributes") em um marketplace online, à venda por quantias variáveis de ether.

Cada gatinho é um objeto na plataforma de blockchain Ethereum, o que significa que são únicos e que, caso a startup fracasse, seus donos ainda terão seu objeto seguro na blockchain. Para jogar, é preciso ter uma carteira digital e ether (é possível converter sua própria moeda em ether na rede).

Dentre os quase 17 mil gatinhos online, já há criações avaliadas em milhares de dólares, cada uma com seu próprio código em que os "cattributes" – sua "genética" – são guardados em um algoritmo patenteado.

Os 1165 jogadores de CryptoKitties são atualmente responsáveis por quase 4% das transações na rede e mais de 23 milhões de dólares comercializados, tanto no game em si quanto em jogos relacionados, como KittyRace (em que eles apostam corrida) e KittyHats (em que são adornados com tênis e óculos escuros, entre outros acessórios).

E a própria Axiom Zen tem conquistado a atenção de investidores: fundos como Andreessen Horowitz e Union Square Ventures recentemente lhe ofereceram 12 milhões de dólares, apostando nesse ecossistema felino digital.

Em um especial sobre o assunto, Cleo Abram, repórter do portal Vox, se pergunta: estaríamos nós entrando em um mundo em que objetos digitais podem ser raros? Ou seja, seria a blockchain, que impede cópias, uma maneira de criar escassez também no mundo online, tão acostumado com cópias desenfreadas?

De qualquer maneira, uma coisa é certa: a cada 15 minutos, um novo CriptoKitty surge online. E há muita gente que ama (e compra) estas curiosas criações, pelo menos por enquanto.

Vídeo da Vox explica como o game CryptoKitties funciona

Leia também:

Udacity Brasil