10 de abr de 2018

Das bancadas de pesquisa ao trabalho como desenvolvedor full stack

Adam Lane

Samuel Almeida é um planejador por natureza. Ele adora ter um senso de propósito e a direção que ganha quando estabelece um objetivo – e então atinge este objetivo. Desde a infância em Teófilo Otoni, em Minas Gerais, Samuel tem um plano de vida.

Tudo começou com uma ideia, mas conforme os anos passaram e ele se formou na graduação e na pós-graduação, tinha certeza que estava se encaminhando para uma carreira na indústria farmacêutica. Quando conseguiu seu primeiro emprego na área, foi como se tivesse conquistado um sonho depois de muitos anos.

Começou com pesquisas sobre medicamentos em Belo Horizonte e parecia que estava tudo certo – e aí veio a surpresa. Samuel descobriu que aquele trabalho, e aquela indústria, não combinavam com ele. O mineiro não se sentia desafiado pelos projetos em que trabalhava, não enxergava maneiras de crescer e se desenvolver.

Foi uma coisa difícil de aceitar. Ele havia passado anos de sua vida – e uma quantia considerável de dinheiro se preparando para uma área em particular. E agora que estava lá, a realidade não o entusiasmava e ele não estava feliz.

Àquela altura, não tinha lhe ocorrido que ele poderia ou conseguiria mudar de carreira. Samuel só sabia que precisa recarregar as energias com alguma coisa.

"Sempre me interessei por programação e tecnologia e tinha o hábito de acompanhar notícias e artigos sobre o assunto. Comecei a pensar que aprender a programar poderia ser um hobby interessante e me ajudaria a ser mais eficiente em meu trabalho."

Leia: 3 opções de carreira para desenvolvedores web: front-end vs. back-end vs. full stack

Como ele aprendeu a programar

Samuel nunca tinha programado antes, então começou a aprender o básico sozinho com vídeos de YouTube e outros programas gratuitos. Seu interesse cresceu e ele eventualmente determinou que queria um curso mais estruturado.

Encontrou o programa Nanodegree Desenvolvedor Full Stack da Udacity e tinha confiança que ali encontraria os assuntos que queria estudar.

"Consegui entender que a seriedade da Udacity em relação à programação combinava com meu entusiasmo crescente, então decidi me inscrever e combinar estudos e trabalho."

Samuel deu duro no programa. Abordou cada projeto com o objetivo de não apenas entregar o que era necessário, mas de ir além. Queria chegar aos próprios limites. Um projeto que usava Google App Engine (GAE) realmente ativou sua imaginação: ele amou o desafio de construir um login, um sistema de cookie e senha para um blog usando aquela plataforma.

Passou boa parte de seu tempo livre no projeto e o feedback positivo que recebeu o convenceu que a programação poderia fazer parte de seu novo plano de carreira.

"Realmente foi o momento em que eu senti que poderia dizer: 'Sim, consigo mudar de indústria e me tornar desenvolvedor!' Eu sabia que não era só um interesse pontual. Eu tinha uma habilidade real como programador. Tinha uma nova direção na minha vida."

Leia: Passo a passo: saiba como criar um app do zero

Como se destacar da concorrência

Samuel completou seu primeiro programa Nanodegree em um ano e começou a buscar seu primeiro trabalho como desenvolvedor. Fez algumas entrevistas, mas nada parecia certo. Ele exerceu a perseverança, certo de que tinha o necessário para mudar de carreira.

Funcionou: ele encontrou a empresa certa. Os recrutadores se impressionaram com suas habilidades em áreas como Python, JavaScript e API. E amaram o que ele fez com o teste que recebeu, que envolvia desenhar uma aplicação web para ajudar a comprar e vender Bitcoin. Seu esforço final de fato o destacou da concorrência.

"Os recrutadores já sabiam o que era a Udacity, claro, mas nunca tinham entrevistado um graduado da Udacity antes. Acho que se impressionaram com a variedade das minhas habilidades, a experiência prática que tinha no currículo e minha habilidade de aplicá-la em um problema real."

Samuel conseguiu o emprego na empresa menos de dois meses depois de se formar na Udacity. Ele usa o que aprendeu no Nanodegree diariamente, incluindo trabalhar com Flask, Ajax e API. E não parou de aprender: está atualmente pensando em começar seu programa Nanodegree Engenheiro de Machine Learning para ampliar seu leque de possibilidades.

"Eu realmente gosto do que faço e aprendo muito todos os dias. Mas o que me deixa calmo e seguro ao lidar com coisas novas e complexas é a base que o programa Nanodegree me deu", fala. "Nunca me sinto perdido e consigo trabalhar problemas, compreender o que está acontecendo e propor soluções."

Leia: UX e UI: quais são as maiores diferenças entre esses campos?

Artigo originalmente publicado no blog americano da Udacity

Sobre o autor
Adam Lane