Google I/O 2018: 8 novidades que você precisa conhecer

Udacity Brasil
15 de mai de 2018

Anualmente, milhares de desenvolvedores chegam na cidade californiana de Mountain View, um dos principais pontos do Vale do Silício, para participar da Google I/O, uma conferência em que a empresa anuncia suas maiores novidades.

Em 2018, não foi diferente – e com o avanço de técnicas de machine learning e inteligência artificial, as novidades se tornam cada vez ainda mais interessantes.

Confira abaixo os principais anúncios que aconteceram durante o evento. Para saber mais, assista ao webinar de especialistas da Udacity que estiveram lá!

8 lançamentos da Google/IO 2018

Google Duplex

Ainda em fase experimental, o Google Duplex foi a grande sensação do ano. Trata-se de um sistema que utiliza inteligência artificial para marcar horários em conversas telefônicas com humanos – e ainda utiliza interjeições e pausas humanas pelo caminho. Sua data de chegada ao mercado ainda não foi definida.

Sundar Pichai, CEO da Google, faz uma demonstração do Google Duplex durante a Google I/O 2018

Google Assistant mais natural

Para quem está lendo este texto (e portanto já cresceu), é difícil vislumbrar as consequências pedagógicas de crescer ao redor de tanta tecnologia.

Este é um tema tão em voga que o Google Assistant agora tem também um foco infantil: o Pretty Please, quando perguntas forem feitas com um "por favor", ele vai responder com frases como "obrigada por perguntar tão educadamente". Sem dúvida, é apenas o começo.

Outras novidades do Google Assistant – que já está disponível em meio bilhão de smartphones – incluem capacidade de conversação contínua (não vai ser mais preciso recomeçar toda frase com "OK Google") e ações múltiplas com o mesmo comando de voz ("OK Google, veja o tempo para amanhã e o trânsito agora").

Um ponto de destaque, conectado ao Google Duplex, é a tecnologia Wavenet, que torna as vozes cada mais naturais. O Assistant agora tem outras seis vozes novas – e a ideia é crescer o portfólio para incluir todos os sotaques, idiomas e dialetos do mundo.

Leia: Um ano de Android: a jornada de uma desenvolvedora profissional

Código Morse no Gboard

Código morse não é apenas para espiões: é também uma questão de acessibilidade, como demonstrou a desenvolvedora Tania Finlayson, que se comunica através de movimentos de cabeça que são traduzidos para código morse e então para fala.

Em parceria com ela e com o marido, o Google implementou código morse para Gboard, o teclado de aparelhos Android. Este Gboard pode ser customizado pelos usuários e usado com aparelhos externos.

Google Lens ganha novas possibilidades

O Google Lens, um app de análise visual para celulares Android que deve chegar a diversos aparelhos ainda em maio, teve algumas novidades este ano.

Uma delas é o Style Match, que permite apontar a câmera para uma peça de roupa ou decoração e descobrir de que marca é ou onde há estilos similares e quais são suas avaliações. Ou seja, se alguém estiver apontando uma câmera para seus sapatos num futuro próximo, leve como um elogio – a pessoa quer um igual.

Outra é o Smart Text Selection: agora será possível apontar a câmera para um livro ou cardápio, tocar na tela e copiar ou traduzir um texto específicos.

E para tornar tudo um pouco mais fácil, agora o Google Lens é capaz de funcionar em tempo real: ou seja, não é preciso tirar a foto em si para uma análise posterior. Basta abrir a câmera e pronto.

AI para Gmail

O Gmail chegou atualizado. Há o Smart Compose, que utiliza machine learning para sugerir frases contextuais: se estiver marcando algo num restaurante mexicano, ele pode sugerir endereços e palavras como "nachos" e "guacamole". A novidade estará disponível a partir de maio (possivelmente apenas em inglês).

Foco em bem estar

A próxima versão do sistema operacional Android, conhecida como Android P, terá um feature que permitirá ver quantas vezes você desbloqueou seu telefone e detalhar quanto tempo passou em aplicativos específicos.

Também será possível configurar um timer para avisá-lo quando é hora de parar de usar um dado aplicativo. A ideia aqui é dar ao usuário mais autocontrole em relação ao seu uso diário de certas tecnologias consideradas por muitos – inclusive ex-funcionários do Google – como propositalmente viciantes.

Leia: Android x iOS: entenda as principais diferenças em programação e desenvolvimento

Machine learning para desenvolvedores

Entre diversas novidades para desenvolvedores, incluindo novas ferramentas capazes de mergulhar a performance, duas que trabalham com machine learning se destacam.

A primeira é o ML Kit, um kit de desenvolvimento de software que vai potencializar apps para Android. Ele inclui APIs prontas para uso e focadas em aplicações comuns, como reconhecimento de texto, reconhecimento facial e digitalização de código de barras.

Outra é o TensorFlow.js, uma biblioteca baseada em JavaScript que permite a aplicação de machine learning diretamente no browser. É possível construir e treinador modelos do zero ou usar e retreinar modelos que já existem.

Cloud anchors para realidade aumentada

Imagine que você e uma amiga abrem o mesmo jogo de realidade aumentada (AR, na sigla em inglês). Com cloud anchors (âncoras na nuvem), uma adição à tecnnologia ARCore lançada em fevereiro, vocês compartilharão o mesmo ambiente simultaneamente. Trata-se de um passo importante rumo a jogos interativos e multiplayers que envolvam essa tecnologia – e para Android e iOS.

Prepare-se com Google e Udacity

Se depois de tantas novidades você tem vontade de usá-las na prática, uma boa notícia: a Google é uma das grandes parceiras da Udacity. Juntas, ambas oferecem os seguintes cursos para quem quer trabalhar com Android: