O que Facebook e HubSpot buscam em profissionais de tecnologia

Udacity Brasil
29 de mar de 2018

Não faz tanto tempo que a noção vigente era de que trabalho e estudos existiam em momentos diferentes. Depois da formatura, era hora de ingressar em uma empresa e focar na carreira por anos, deixando novos aprendizados de lado até iniciar um mestrado ou uma pós-graduação.

Esse paradigma, no entanto, já não corresponde à demanda atual do mercado: o aprendizado contínuo é fundamental para que os profissionais de qualquer setor não sejam considerados desatualizados ou até mesmo obsoletos.

Este interesse incessante é parte essencial dos "learning animals", termo em voga para descrever pessoas que querem aprender sem parar – e um perfil particularmente atraente para empresas de tecnologia.

Empregadores também consideram garra, atitude mental positiva e disciplina características fundamentais em quem deseja conquistar vagas cobiçadas nesse segmento, sejam elas quais forem.

“O que buscamos, principalmente, é motivação, vontade de aprender, interesse e criatividade para inovar. São características indispensáveis", diz Gus Brewer, product recruiting da HubSpot.

Leia: Como mudar de carreira em 10 passos

Facebook e HubSpot: dicas para se destacar no processo seletivo

Experiência prática vs. histórico acadêmico

O embasamento teórico é fundamental para que um profissional de tecnologia saiba fazer suas atividades, mas hoje em dia ele pode vir de muitos lugares.

Isso porque há uma tendência crescente, especialmente no meio tecnológico, de focar mais em competências e habilidades comprovadas do que em diplomas.

Na prática, isso significa que um engenheiro de software ou um desenvolvedor não precisa ter se formado na área para se candidatar à uma vaga nas maiores empresas de tecnologia do mundo.

Se ele conseguir comprovar que sabe fazer o trabalho – talvez ele tenha aprendido em um curso online, como um Nanodegree da Udacity, e tenha um bom portfólio para mostrar –, tem tantas chances quanto um graduado.

“Para certas funções, exigimos alguma experiência em particular. Mas, de modo geral, a vivência prática tem bastante valor quando estamos analisando o perfil dos candidatos”, destaca Nathalia Ceneviva, recruiting lead do Facebook na América Latina.

Uma das consequências diretas dessa abertura é uma força de trabalho cada vez mais diversa, algo que também tem vantagens competitivas. "Acreditamos que a diversidade de perfis ajudará a construir uma experiência melhor para quem quer que seja”, continua ela.

“No lado da engenharia, procuramos pessoas que trabalharam construindo aplicações web em escala. O conhecimento acadêmico pode ajudá-lo a entender como fazer isso, mas, na verdade, fazê-lo é o melhor indicador de sucesso para nós na HubSpot”, respalda Gus Brewer.

Leia: Descubra 6 habilidades que estão em alta no mercado

O que é essencial

O primeiro passo para se destacar num processo seletivo é ler o anúncio de emprego com atenção e ver se aquela vaga é para você: é preciso cumprir os pré-requisitos listados e estar preparado para comprová-los.

No entanto, você não precisa ser expert em tudo. Uma vez dentro das empresas, é comum que o profissional tenha espaço e incentivo para se aprimorar – e se empolgue com essa perspectiva.

“A HubSpot considera que os profissionais vão desenvolvendo melhor as habilidades depois que já estão trabalhando conosco. Quando se trata de tecnologia, as pessoas têm que estar sempre abertas a aperfeiçoar técnicas e aprendizados”, fala Gus Brewer.

Escritório do Hubspot

No Facebook, que oferece diversos cursos em sua plataforma, o conhecimento prévio de suas próprias ferramentas é importante apenas se constar na descrição da vaga. "Caso contrário, o conteúdo disponibilizado pode ser aprendido no dia a dia em algumas funções e em treinamentos internos”, acrescenta Nathalia.

Leia: Saiba como ter uma carreira como desenvolvedor front-end

Fit cultural

Outro aspecto que deve ser levado em conta, dentro ou fora do mercado de tecnologia, é o fit cultural. Trata-se do alinhamento entre seu perfil (como seus valores e seu estilo de trabalho) e o perfil da empresa.

No caso do Facebook, por exemplo, que tem a construção de valor social como um de seus principais valores, candidatos que tenham vontade de impactar positivamente a vida das pessoas demonstram fit cultural.

Essas informações constam tanto nos anúncios quanto nas páginas das companhias, onde são explicadas em profundidade. Familiarizar-se com a cultura organizacional no começo do processo é um passo importante, que facilita muitos outros.

Imagine se, durante uma entrevista de emprego, você é questionado sobre o valor com o qual mais se identifica e por que. Dar branco nesse momento é um mal sinal – e é fácil evitar essa situação com um pouco de estudo.

O que é diferencial

No Facebook, experiências fora do dia a dia de trabalho também são pontos de interesse na hora da seleção. “Para os desenvolvedores e engenheiros que contratamos, valorizamos a experiência fora do âmbito técnico, como projetos com interações multidisciplinares", fala Nathalia, destacando aqueles que envolvem impacto social e machine learning.

Outro diferencial é entrar em contato com pessoas da empresa durante o processo seletivo para entender mais detalhes da vaga e o que a companhia espera. “É uma etapa importante para conhecê-los melhor antes de iniciar o processo seletivo", avalia Gus.

No Facebook, esse contato acontece ao longo do processo seletivo inteiro. “O time de recrutamento está próximo e garante que a experiência seja positiva durante todo o desenvolvimento das conversas”, afirma Nathalia.

Faz sentido. Afinal, contratar as pessoas certas é fundamental para organizações, sejam elas pequenas startups ou gigantes de tecnologia – e tornar-se um talento competitivo nesse mercado é muito possível, desde que você esteja disposto a aprender.

Leia: Como atingir seus objetivos de aprendizado do começo ao fim