27 de jun de 2018

Com um pitch afinado, essa startup conseguiu ser selecionada pela Startup Farm

Udacity Brasil

Há cerca de quatro anos, Marcus Succar teve uma ideia para acabar com o incômodo que sentia nas festas de aniversário da sobrinha, que ganhava montanhas de presentes e gostava de apenas alguns, ignorando o resto: uma plataforma de crowdfunding para que convidados comprassem parcelas de três sonhos escolhidos pela criança. Assim surgiu a startup Lâmpada Mágica.

Marcus levou para sua pós-graduação em negócios na Fundação Dom Cabral, no Rio de Janeiro, e ali fez amizade com Marcio Bittencourt, então executivo de carreira em uma empresa de petróleo, que assistiu ao desenvolvimento de protótipos e MVPs da ideia.

Em meados de 2017, Marcio decidiu dar uma guinada na carreira e empreender ao lado do amigo: tornou-se sócio da startup e responsável por suas operações. Ainda em outubro daquele ano, a dupla colocou a plataforma no ar, que desde então já atendeu mais de 40 aniversariantes e arrecadou mais de R$ 90 mil em presentes.

"Precisamos crescer muito ainda, especialmente quando pensamos que [o modelo de negócios] é B2C, algo que precisa de escala, mas o aprendizado até aqui tem sido incrível", aponta.

A necessidade constante de buscar melhorias para fazer uma startup crescer é uma das coisas que Marcio mais destaca. “Quem olha o site no ar acha que tudo é lindo, mas a realidade não é tão simples assim. O tempo todo fazemos mudanças para atender o que os clientes procuram e aumentar a conversão”

Baixe o glossário de termos de marketing digital da Udacity

Um empreendedor na Udacity

Foi principalmente para solidificar seus conhecimentos de empreendedorismo e descobrir os caminhos certos para aumentar sua base de clientes que o novo empreendedor investiu em cursos. Fez primeiro o Nanodegree Marketing Digital e, pouco depois, o Nanodegree Startup Founder.

No segundo, pode desenvolver a ideia da Lâmpada Mágica com a ajuda de especialistas brasileiros e “logo vieram os primeiros pontos, como voltar e entender quem é o cliente, quem é a persona e qual é a jornada”.

Conforme aplicava os aprendizados, ficou claro que algumas decisões e posicionamentos precisavam ser revistos. “Ao invés de procurar clientes em qualquer lugar, tínhamos que nos estruturar para isso”, exemplifica. “Se insistíssemos em achismos, não sairíamos do lugar.”

As aulas do curso deram o suporte necessário para que ele pudesse melhorar sua solução sem medo de uma eventual mudança de direção. “Os módulos do Nanodegree foram muitos diretos nesse sentido: saia do escritório e escute o cliente.”

Outros pontos altos para Marcio foram as mentorias, feitas por brasileiros com experiência no ecossistema empreendedor nacional, e as aulas relacionadas ao pitch da startup. “É impressionante como as pessoas vão ‘cruas' para o negócio e às vezes vemos ideias maravilhosas que as pessoas não conseguem transmitir”, fala.

O difícil é condensar tudo que é relevante em cerca de três minutos sem perder o brilho da ideia, continua. “Minha mentora ajudou muito nesse sentido, assim como as pessoas que corrigiram os projetos e foram cirúrgicas [em suas sugestões], dizendo o que estava bom e onde melhorar.”

De forma geral, Marcio diz que o curso Startup Founder "oferece uma base muito legal para levar seu negócio para um nível em que as pessoas realmente entendam o que é e tenham vontade de usá-lo. E, a partir daí, te dá também muitas ferramentas para se expor ao mercado, repensar e aplicar estratégias – seja para atrair clientes, investidores ou buscar uma aceleração."

Leia: Airbnb, SpaceX, Uber, Buzzfeed: como essas startups começaram?

A chance de um evento presencial

O novo pitch foi posto em prática na frente de membros da Udacity e da comunidade empreendedora em abril, um mês após a conclusão do curso – e não foi por acaso.

Além do conteúdo, Marcio também tinha sido atraído pela possibilidade que o curso oferecia de ter a Lâmpada Mágica entre as 10 startups selecionadas para participar de um dia de atividades presenciais em São Paulo, incluindo um bootcamp com a aceleradora Ace e um demo day com a presença de investidores.

“O demo day era a cereja do bolo e me dediquei muito para estarmos entre as dez startups selecionadas. Senti que ali estava uma oportunidade legal, com um público que tem condições de contribuir conosco de alguma forma.”

Na rede de contatos que se ampliou naquela noite – em que a Lâmpada Mágica ficou em terceiro lugar – havia investidores cujos conselhos Marcio, sempre atento, começou a aplicar literalmente no dia seguinte.

“Na hora que você se dedica para aplicar o que aprende e fazer seu dever de casa, a única coisa que pode acontecer é dar certo. Não há outra resposta para essa equação”, afirma.

Leia: Soluções radicais, fracassos radicais: 4 lições da X

A Lâmpada Mágica na Startup Farm

Um dos sonhos dos sócios era participar de um programa de aceleração para amadurecer o negócio e reconstruir o que precisa ser reconstruído. Por isso, ao mesmo tempo que Marcio se aplicava no Nanodegree, os dois investiam nas candidaturas para a Lâmpada Mágica.

Enfim, uma hora antes do pitch no demo day organizado pela Udacity, a Startup Farm, a maior aceleradora da América Latina, ligou com a boa notícia: tinham sido aceitos para um programa de seis meses.

“O Startup Founder me ajudou muito a pensar em como me apresentar nesses processos de seleção e o pitch que fizemos para a aceleradora teve muito do que vi no curso”, explica Marcio, que está no processo de aceleração em São Paulo com o sócio e cogita transferir a startup do Rio para a cidade no futuro.

Após cinco semanas de imersão, que se encerraram na última semana de junho, a Lâmpada Mágica vai passar por uma série de processos e aulas que a levarão a repensar o negócio como um todo com base em novos conceitos, ferramentas e metodologias de vendas e investimentos.

A busca por clientes, por exemplo, já deu novos passos adiante. “Temos muitas verdades sobre o negócio que desconstruímos e estamos repensando a forma de comunicar e atingir o mercado, pensando em quem é nosso early adopter que vai divulgar nossa ideia para o mercado."

Ao refletir sobre o progresso da startup nos últimos seis meses, ele é otimista sem perder os pés do chão. “Não importa se você vai ganhar um prêmio, conseguir investimento, nada disso. Faça o melhor que você pode fazer. E tudo que vier de feedback vai servir para ajustar seu melhor."

Leia também:

Sobre o autor
Udacity Brasil

A Udacity, conhecida como a "Universidade do Vale do Silício", é uma plataforma online e global que conecta educação e mercado para ensinar as habilidades do futuro – de data science e marketing digital à inteligência artificial e desenvolvimento. Hoje, há mais de 7 mil alunos ativos no país e 50 mil pelo mundo.