22 de mar de 2018

Uma breve história do Vale do Silício, polo de inovação de 3 trilhões de dólares

Udacity Brasil

Uma região da Califórnia conhecida pelo clima ameno e pelos pomares se tornou, em meio século, o ponto central de uma revolução tecnológica que cria carros autônomos, assistentes virtuais, novas opções de saúde e educação e máquinas capazes de vencer os melhores seres humanos em jogos complexos, entre muitas outras novidades diárias. Não é exagero dizer que o Vale do Silício é uma das áreas mais importantes do mundo.

Entre startups nascentes e gigantes como Apple, Google e Tesla, trata-se de um pedaço que abriga mais de 3 trilhões de dólares em valor do mercado.

Sua população é composta por cerca de 3 milhões de pessoas, que ganham em média 130 mil dólares por ano. Dessas, mais de 50% tem menos de 39 anos e quase 40% são estrangeiras. Boa parte trabalha nas numerosas opções de startups: estima-se que existam entre 12 mil e 15,6 mil atualmente.

Tanto potencial atrai muitos investidores, que injetaram quase 14 bilhões de dólares em venture capital na área em 2017. Esta modalidade de investimento, que surgiu nos anos 1950, foi fundamental para diversificar a fonte de financiamento do ecossistema, até então dependente do governo. Desde então, empresas podem garantir seus dólares ao impressionar investidores privados motivados pelo lucro.

E falando em bilhões, é ali que fica uma parcela significativa dos 236 unicórnios existentes, como são conhecidas as startups avaliadas em mais de 1 bilhão de dólares. Uber, Airbnb, Pinterest, Lyft, Slack e Dropbox, por exemplo, são unicórnios "nativos".

Leia: AI, ML, DL... Entenda as siglas por trás da revolução tecnológica

Como surgiu o Vale do Silício

Embora o termo tenha surgido em 1971, tudo começou no fim do século 19, quando o porto de São Francisco ajudou a transformar a cidade em ponto conector com o mundo, unindo indústrias de telégrafo, rádio e tecnologia aeroespacial. Elas trouxeram consigo cientistas e pesquisadores e a criação do Ames Research Center, hoje um dos principais centros de pesquisa da NASA.

Em 1939, William Hewlett e Dave Packard fundaram a Hewlett-Packard numa garagem em Palo Alto, que se tornou uma das partes mais famosas do Vale do Silício. Mais conhecida pelas impressoras, a HP começou seu sucesso desenvolvendo tecnologia militar, incluindo de radar e de artilharia.

Nos anos 1940, a Stanford University começou a atrair empreendedores e pesquisadores ao oferecer-lhes terrenos por preços atraentes. William Shockley, coinventor do transistor, aproveitou a deixa (e a proximidade à mãe enferma) para levar um grupo de jovens brilhantes para desenvolver sua tecnologia na região.

Era o nascimento da Shockley Semiconductor Labs, que mudou a história e agregou "silício" ao nome ao criar transistores com o material. Tais transistores se tornaram processadores de computador.

_Robert Noyce, coinventor do circuito integrado_

O laboratório tem sua própria história fascinante, que ajudou a transformar o Vale do Silício no que ele é hoje.

Em 1957, cansados do comportamento errático do fundador, oito funcionários deixaram a empresa. Apelidados de "os oito traidores" por Shockley, eles firmaram uma nova parceria com Sherman Fairchild para criar a Fairchild Semiconductor, que se tornou uma das companhias mais bem sucedidas da indústria – e responsável inclusive por componentes do programa Apollo, que levou a humanidade à lua.

Entre o grupo de "traidores" estavam grandes empreendedores futuros, como Gordon Moore e Robert Noyce, que fundaram a Intel. Os relutantes herdeiros de Shockley também criaram empresas como AMD, Nvidia e o fundo de venture capital Kleiner Perkins.

Enquanto todas essas mudanças aconteciam, o governo americano, em parceria com Stanford – que a essa altura tinha se tornado um centro acadêmico de inovação nos EUA –, criou a ARPANET, a origem da internet.

Leia: De incubadoras a private equity, entenda qual é o próximo passo da sua startup

O Vale do Silício e a revolução tecnológica

Em 1970, um ano depois da ARPANET, a Xerox abriu as portas de seu laboratório em Palo Alto, de onde vieram grandes invenções que conectaram o mundo como cabos ethernet e interface gráfica de usuário (GUI), mais tarde utilizada com enorme sucesso pela Apple para popularizar computadores pessoais e adotada desde então.

Já considerado um berço de talentos, inovação e cultura de experimentação, o Vale do Silício naturalmente atraiu o nascimento de companhias como Oracle, eBay, Yahoo, PayPal, Facebook, Twitter e Alphabet – isso para falar apenas das gigantes atuais.

Muito se fala sobre o mito das grandes companhias que surgem despretenciosamente em garagens. Essa região californiana é a origem dessa história, famosamente representada por duplas como Hewlett e Packard, Steve Jobs e Steve Wozniak, Larry Page e Sergey Brin.

Embora atualmente boa parte das startups comece de maneira mais organizada e com investimentos generosos (em média, aquelas em estágio inicial recebem 760 mil dólares), essa parte essencial do Vale do Silício se mantém viva. Ninguém sabe de onde virá a próxima ideia revolucionária – e pode muito bem ser da porta ao lado.

Quer conhecer o Vale o Silício? Seja um dos cinco primeiros graduados do Nanodegree Marketing Digital e viaje com a Udacity!

Conheça o Curso de Marketing Digital da Udacity.

Sobre o autor
Udacity Brasil

A Udacity, conhecida como a "Universidade do Vale do Silício", é uma plataforma online e global que conecta educação e mercado para ensinar as habilidades do futuro – de data science e marketing digital à inteligência artificial e desenvolvimento. Hoje, há mais de 7 mil alunos ativos no país e 50 mil pelo mundo.