5 de fev de 2018

Ela se formou em relações internacionais e hoje é engenheira de dados

Caroline Watson

Existem muitas maneiras de começar, avançar na carreira ou, simplesmente, mudar de profissão. Claro que obter um diploma universitário é o caminho mais convencional para a formação em um determinado ramo – mas, certamente, não é a única opção.

Essa compreensão é muito importante quando tratamos de profissões que demandam conhecimento técnico, pois o que consideramos caminhos “alternativos” passam a ser considerados meios viáveis.

Kelcey Morton sabe disso muito bem e, de maneira determinada, ela criou seu próprio caminho para se tornar uma profissional do ramo de tecnologia.

Graduada em relações internacionais e sem formação acadêmica em ciência da computação, ela hoje trabalha como engenheira de dados na HackerOne, uma startup americana.

Leia: Conheça 8 aplicações de deep learning no mercado

O começo da carreira em tecnologia

Durante a graduação, o foco principal de Kelcey foi análise estatística. Logo após se formar, ela conseguiu um emprego que a permitia aplicar os conhecimentos recém-adquiridos em gestão de dados.

Em apenas três anos e após duas promoções, se tornou analista de operações, o que expandiu sua visão de negócios – e a aproximou da equipe de desenvolvimento de software.

Primeiros passos em programação

Quanto mais Kelcey trabalhava no desenvolvimento de projetos técnicos, mais curiosa ficava. Para entender melhor o que seus colegas faziam e poder interagir nas reuniões da qual fazia parte, Kelcey começou a estudar fundamentos de programação nas horas livres.

Adorou logo de cara e, com apenas alguns cursos online gratuitos, começou a desenvolver seus primeiros códigos em Python, uma linguagem muito popular entre iniciantes.

Em um dado momento, Kelcey notou que precisaria ser honesta com ela mesma: estava empolgada com o aprendizado e cada vez mais apaixonada por tudo aquilo, mas gastando todo seu tempo livre com a empreitada.

Qual era o ponto? Ela não tinha formação em ciência da computação. De nada adiantaria aquele esforço desmedido.

Leia: 4 motivos para começar a aprender machine learning hoje

Estratégia para a mudança de rumos profissionais

Mesmo enfrentando dúvidas e quando dominava apenas o básico, ela encontrou um caminho a seguir. Levando em conta seus conhecimentos analíticos, Kelcey entendeu que, se os potencializasse, teria mais chances de conseguir uma vaga em uma empresa de tecnologia.

Focou sua busca em empresas de tecnologia que estivessem contratando analistas e, em pouco tempo, encontrou uma vaga na HackerOne, uma startup de tecnologia em São Francisco.

Logo se candidatou atraída pela filosofia da empresa, focada em alavancar o poder dos “hackers éticos” para desenvolver projetos de segurança cibernética usando um modelo colaborativo (crowdsourcing).

Acabou contratada como a única analista sênior de inteligência de mercado da HackerOne.

O dia a dia em uma startup

Trabalhar em uma startup demanda alto nível de desempenho. Foi exatamente isso que Kelcey apresentou desde o início, quando trabalhou em projetos de integração de dados que compilavam informações para o aplicativo da empresa.

Em paralelo, não deixou de demonstrar claramente seu desejo de aprender as especificidades técnicas do negócio.

“Expressei todo meu interesse em compreender melhor os projetos da empresa que não faziam parte da minha rotina de trabalho. Dei sorte de encontrar mentores e lideranças da empresa que sempre me encorajaram a aprender o máximo que eu pudesse.”

Leia: Os 10 cursos gratuitos mais populares da Udacity em 2017

O programa Nanodegree Fundamentos de Deep Learning

Tomada por essa motivação, passou a frequentar reuniões e a participar de conversas sobre projetos que não estavam dentro de seu escopo.

O conceito com o qual mais se deparava era o deep learning e, envolvida com o assunto, passou a dedicar mais tempo de seus estudos a ele.

Como havia feito anteriormente, começou suas pesquisas online – e foi assim que descobriu o programa Nanodegree Fundamentos de Deep Learning, da Udacity.

“Inicialmente, considerei o programa acima das minhas capacidades. Meus colegas de trabalho me encorajaram dizendo que seria desgastante, mas que eu estava totalmente apta a ingressar no curso. E assim fiz!”

Kelcey criou coragem e se matriculou. Adorou o uso de vídeos como recurso de compartilhamento de conteúdo e de conceitos e os feedbacks proporcionados pelos revisores do curso, que a guiaram ao longo do programa.

O equilíbrio entre estudos e trabalho não foi fácil, mas ela priorizou a organização e se tornava um pouco mais motivada com cada sucesso. “O programa demanda muita automotivação. O que me ajudou foi a certeza de que, ali, eu poderia explorar um universo de conhecimento.”

Uma grata surpresa foi seu gerente amplificar as possibilidades e garantir que, se ela adquirisse toda a preparação necessária, ele consideraria promovê-la a uma vaga técnica.

Depois desse compromisso verbal da empresa, Kelcey prosseguiu no programa Nanodegree Deep Learning e passou a ter muito mais contato com a equipe de engenharia da HackerOne.

Leia: Big Data e machine learning: saiba como usar essas tecnologias no varejo

Uma nova carreira em tecnologia

Kelcey concluiu o programa Nanodegree Fundamentos de Deep Learning em julho de 2017, uma conquista louvável. E as boas notícias não param por aí.

“Recentemente, fui integrada à equipe de engenharia. Meu novo cargo é engenheira de dados e registrei meu primeiro código de produção há algumas semanas", comemora. "Estou ansiosa para continuar desenvolvendo meus conhecimentos tecnológicos ao longo de 2018!”

A Udacity aplaude enfaticamente sua força de vontade e determinação para aprender todo um conjunto de novos conceitos e novas técnicas. Foi isso que abriu esse rico leque de oportunidades para Kelcey.

Estamos ansiosos para acompanhar seu crescimento e os próximos passos na sua carreira. Parabéns, Kelcey!

Caroline Watson se dedica a compartilhar histórias inspiradoras dos alunos com a comunidade da Udacity. Ela passa o dia falando com os alunos, conhecendo suas conquistas e encontrando novas maneiras de destacá-las.

Post originalmente publicado no blog da Udacity

Sobre o autor
Caroline Watson