24 de mai de 2018

Afinal, o que é startup? Entenda esse tipo de organização

Udacity Brasil

Muito se fala nela, mas afinal o que é startup? Basicamente, trata-se um empreendimento que visa atender uma necessidade de mercado (seja com um produto, serviço, processo ou plataforma) e desenvolver um modelo de negócios factível e escalável.

Para que você entenda melhor o tema, preparamos um artigo especial que cobre os seguintes tópicos:

O que é e como funciona uma empresa startup?

Uma startup company, do inglês "empresa iniciante", tem como objetivo atingir o maior número de pessoas o mais rápido possível sem um modelo de negócio concretamente definido.

Em outras palavras, as startups buscam um modelo de negócio que seja repetível (que possa ser reproduzido em escala ilimitada) e escalável (que possa crescer rapidamente em um cenário de incertezas).

Não à toa, é muito comum associarmos startups à tecnologia. Embora as empresas de produtos e serviços da área de tecnologia e Internet não sejam todas startups, é comum vermos atividades de empreendedorismo de startup nessa área. Isso acontece porque é bem mais barato e promissor criar e expandir uma empresa web, por exemplo.

Entretanto, independentemente da área à qual a startup pertence, é necessário conseguir investimento e usar esse dinheiro para validar um modelo de negócios. Uma forma de conseguir isso é aplicar o conceito de MVP, explicado mais adiante.

img1 startupenxuta

O que é startup enxuta?

Startup enxuta, ou lean startup, é uma abordagem de gerenciamento idealizada por Eric Ries e voltada para startups. Essa abordagem consiste em criar um negócio de administração dinâmica, eliminando ao máximo todos os desperdícios possíveis.

Para que essa abordagem ou metodologia seja aplicável, Eric Ries, em seu livro A Startup Enxuta, pensou em alguns pontos essenciais para fazer com que uma startup gere lucro e consiga lançar seu serviço ao produto ao cliente de forma rápida e eficiente.

  • Redução e otimização do tempo de criação de uma mercadoria ou serviço, priorizando o MVP;
  • Aperfeiçoamento contínuo do produto ou serviço após seu lançamento no mercado;
  • Teste constante de seu produto ou serviço;
  • Economia de recursos nas etapas de criação e produção;
  • Realizar pivotagem (mudança radical do produto ou serviço) caso não haja aceitação no mercado.

Em resumo, o conceito de startup enxuta tem como objetivo oferecer uma abordagem ou metodologia compatível com o contexto de incertezas sobre o qual uma startup é criada.

No programa Nanodegree Startup Founder, oferecido pela Udacity, é possível entender como que o conceito de lean startup funciona na prática e aplicá-lo em seu negócio. Saiba mais sobre o curso de startup!

br-blog-img3 startupsnobrasil

Startups no Brasil

Segundo a Associação Brasileira de Startups (ABStartup), o Brasil possui 4,2 mil startups operando em seu território, com maior concentração em São Paulo. Este é quase um terço do número de startups no Vale do Silício, berço das startups desde a década de 1990. E esse número tende a crescer.

Os segmentos de atuação favoritos das startups brasileiras são da área de serviços digitais, os SaaS (software as a service), totalizando uma faixa de 5% do total de segmentos. A Internet de maneira geral e o segmento da educação empatam com 4%. Neste link é possível ter acesso aos gráficos e estatísticas referentes a área de atuação, localização geográfica e modelos de negócio das startups brasileiras.

Ainda, o Brasil possui 41 das quase 250 aceleradoras de startups do mundo. Esse número foi calculado em um estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas, realizado em 2016 e intitulado “O Panorama das aceleradoras de startups no Brasil”.

Todas as startups de sucesso começaram “do zero” e obtiveram êxito por saber oferecer o produto ou serviço certo e pouco explorado no mercado, no momento apropriado e tirando proveito das oportunidades que surgem em um cenário completamente incerto.

Na seção seguinte, você descobrirá exemplos práticos.

Exemplos de startups de sucesso no Brasil

Como se trata de um modelo de negócio inovador e com constantes mudanças, todos os anos há novos exemplos de startups sucesso nos mais variados rankings de empreendedorismo e mercado.

Em 2016, a revista Época divulgou uma lista com 9 startups de sucesso do Brasil e do mundo, como GetNinjas e Airbnb. Em 2017, foi a vez do LinkedIn ranquear as 50 startups mais inovadoras do ano (incluindo a própria Udacity!).

Em abril deste ano, foi a vez da 100 Startups to Watch divulgar uma lista das startups brasileiras para “ficarmos de olho”:

Agronegócio

Educação

Finanças

Gestão

Impacto

Indústria

Lazer e turismo

Logística

Marketing

Moda e beleza

Realidade virtual

Saúde e bem estar

Serviços

Tecnologia da Informação

Exemplos de startups brasileiras de sucesso, por setor

Ter uma ideia daquilo que o mercado brasileiro vem demandando é fundamental para montar uma startup ou eleger uma startup para investir. Abaixo vão alguns exemplos de startups brasileiras promissoras:

Startup de energia solar

Algumas startups pretendem transformar o setor energético no Brasil, tornando-o mais econômico e sustentável. As Startups de energia solar pretendem virar o mercado de energia do avesso e fazer com que a distribuição de energia no país seja mais democrática. Exemplos de startups de energia que já consolidaram seu nome no mercado em tão pouco tempo: Cartão Solar, Cubi Energia e Nexo Capacitação Digital.

Startup de engenharia civil

Nem todas as startups vivem no mundo digital. Muitas delas trabalham na construção, engenharia civil e mercado imobiliário. Suas tecnologias vão desde construção modular, como a Molegolar, até crowdfunding imobiliário, como a URBE.ME.

Startup educacional

Uma startup educacional é aquela que oferece serviços voltados para a educação. Esses serviços podem ser de resumo de livros, de material de estudo para vestibular, de produção de livros ou de ensino à distância. Exemplos brasileiros de sucesso: 12 Minutos, Dentro da História, Me Salva!.

Startup do setor financeiro (fintech)

As startups do setor financeiro, também conhecidas como fintechs, são empresas de finanças que fazem uso da inovação e da tecnologia para entregar serviços financeiros. Exemplos de empresas em destaque no Brasil: Nubank, GuiaBolso, Monetus.

Startup para advogados

As chamadas legal techs, ou law techs, estão mudando o cenário jurídico adicionando rapidez e eficiência ao sistema e aos processos. Os serviços vão desde otimização dos processos jurídicos, como a Finch Soluções, até a intermediação na contratação de advogados, principal atividade da JusBrasil.

Startup de marketing

Empresas que estão mudando drasticamente a forma de fazer marketing das empresas, principalmente as de internet. Destaque para: Trakto, Social Miner e Contentools.

Startup de lazer e turismo

As startups de lazer e turismo se concentram, atualmente, no serviço de venda de passagens de transporte (ônibus ou avião), mas há também aquelas que oferecem outros serviços como transmissão de eventos em streaming. Alguns exemplos: ClickBus, MaxMilhas, Netshowme.

Ecossistemas de startups no Brasil

Por sua natureza dinâmica e independente, startups podem surgir em qualquer cidade do mundo. Mas, para sobreviver no mercado, ela não depende única e exclusivamente de uma boa ideia.

Para que se consolide, é necessário ter o apoio de investidores, incubadoras e aceleradoras, entre outros atores, além de apoio de entidades governamentais e associações de empreendedorismo.

Pensando nisso, fizemos um panorama do ecossistema das startups em diversas cidades brasileiras para que você possa se orientar embasado em mais informações.

Startups em SP (São Paulo)

A cidade de São Paulo é onde se concentra o maior número de startups em desenvolvimento e operação, além de concentrar investidores-anjo, aceleradoras e fundos de investimento. Além disso, é em São Paulo que estão localizados espaços de coworking e de incentivo de empresas inovadoras como Google Campus, Cubo e InovaBRA. O governo também é bastante ativo e oferece iniciativas como a Rede Paulista de Ambientes de Inovação e o programa SP Stars.

Startups em BH (Belo Horizonte)

As startups de BH, capital de Minas Gerais, podem contar com a região de San Pedro Valley. Apesar do nome ser uma brincadeira em referência ao Vale do Silício, trata-se de uma comunidade que leva seu trabalho de reunir e dar suporte a todo ecossistema de startups da região, que incluem SambaTech, RockContent, Meliuz e Sympla.

Startups em Curitiba

As startups em Curitiba encontram apoio no Vale do Guadalupe, um cluster de startups situado na antiga rodoviária da cidade. Tal pólo, diferentemente do Vale do Silício, aconteceu por coincidência, e não por planejamento ou incentivo governamental. Ainda assim, atualmente é a região onde mais se pode encontrar startups em Curitiba.

Startups no RJ (Rio de Janeiro)

O ecossistema de startups no RJ conta com uma excelente quantidade de incubadoras. Além disso, o governo do Rio de Janeiro organiza a Startup Rio, iniciativa público-privada que tem como objetivo fomentar o empreendedorismo e transformar o estado em um pólo de tecnologia com referência internacional.

Startups em Campinas

Campinas, no interior de São Paulo, é um pólo de tecnologia e empreendedorismo por contar não apenas com a Unicamp, universidade pública que possui excelência nos cursos de tecnologia, como também com o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento (CPqD), centro voltado para desenvolvimento e pesquisa na área de tecnologia da informação e comunicação.

Startups em São Carlos

Alguns teóricos a apontam como o Vale do Silício brasileiro devido ao grande número de startups em São Carlos, também no interior de São Paulo, e à quantidade considerável de pesquisadores da área de tecnologia e inovação na cidade.

Startups em Manaus

Recentemente, uma startup de Manaus venceu o primeiro Demo Day do programa Nanodegree Startup Founder, evento realizado em São Paulo pela Udacity com seus graduados de maior destaque. Há também uma nova cena de empreendedores no norte do país, que batizou a região de startups de Jaraqui Valley em homenagem a um peixe local.

Eventos para startups

Os eventos para startups são fundamentais para saber quais inovações e quais mercados estão sendo explorados, além de ser uma ótima oportunidade para entrar em contato com investidores, aceleradores, etc.

Confira abaixo os principais eventos para startups no Brasil:

Startup Weekend

Evento que dura um final de semana inteiro e tem como objetivo realizar uma imersão no universo das startups. É ótimo evento para conhecer aceleradoras, investidores e entrar em contato com startups inovadoras de diversos segmentos.

Brnewtech

Encontro mensal realizado pelo Brazilinnovators que incentiva o networking, divulga cases de sucesso e realiza rodadas de pitch.

Case

Evento anual que tem como objetivo reunir startups da América Latina.

Virada Empreendedora

Evento anual de dois dias que realiza palestras e atividades relacionadas ao universo empreendedor.

Innovators Summit

Também organizado pelo BrazilInnovators, o evento tem como objetivo promover o intercâmbio de informações entre startups do Brasil e do Vale do Silício.

StartupDay

Evento organizado pelo Sebrae que pretende reunir grandes nomes do empreendedorismo digital no Brasil.

br-blog-img5 startup comocriar

Startup: como criar?

Para criar uma startup é muito importante que se tenha, antes de mais nada, uma boa ideia para o desenvolvimento de negócio em um mercado pouco ou nada explorado. Ainda assim, há sempre aquela dúvida inicial: como criar uma startup? Como uma startup funciona?

Nos tópicos a seguir, você encontrará alguns passos essenciais para aprender como criar uma startup e fazê-la funcionar. Também é possível entender um pouco sobre os primeiros passos em outro post deste blog.

br-blog-img6 mini infografico alt

Além disso, há uma série de vídeos sobre empreendedorismo disponíveis gratuitamente no canal da Udacity:

O que é MVP?

Uma breve reflexão sobre o significado de cada palavra dessa sigla pode explicar o que é MVP (Minimum Viable Product), sigla para identificar o produto mínimo viável que uma empresa pode produzir.

O conceito de MVP consiste em construir um produto mais simples possível para validar uma hipótese sobre o mercado em que se está entrando de forma mais rápida, e, consequentemente, aprendendo rapidamente.

O MVP evolui com o tempo. À medida em que é validado, mais a startup aprende e mais informação sobre o cliente e o mercado ela obtém. Uma metáfora muito comum para explicar o que é MVP é a transformação de um skate, o meio de transporte mais simples de se fabricar, em um carro, um produto bem complexo.

Outra curiosidade muito interessante sobre o produto mínimo viável é a razão de sua popularidade, que aconteceu graças ao empreendedor do Vale do Silício Eric Ries, autor do livro-referência A Startup Enxuta, conceito sobre o qual falaremos a seguir.

O vídeo abaixo, da Udacity, ilustra o que é um MVP na prática:

br-blog-img7 definicao proposta valor

Definição da proposta de valor para startups

Preparado para começar sua startup? Vamos começar então pela definição da proposta de valor, que responde à seguinte pergunta: por que o cliente faz negócio com uma empresa e não outra?

Em suma, a proposta de valor de uma startup é o conjunto de benefícios oferecidos para o cliente de modo que ele opte por negociar com você e não com a concorrência.

Questione-se:

  • Qual é o valor entregue ao consumidor?
  • Qual problema do consumidor é resolvido pelo produto?
  • Como satisfazemos nossos consumidores?
  • Como fazer uma boa segmentação de mercado de uma startup?

A segmentação de mercado de uma startup é importante porque ajuda não só a direcionar propagandas, como também a definir melhorias do produto ou serviço oferecido.

Uma boa forma de fazer uma segmentação de mercado eficiente é utilizar o modelo canvas para definir para quem queremos vender e quem são os clientes mais importantes.

A estrutura do business model canvas, como é conhecido em inglês, é composta de nove partes, que você conhece em detalhes neste outro artigo especial:

  • Segmento de clientes
  • Proposta de valor
  • Canais
  • Relacionamento com clientes
  • Fontes de receitas
  • Atividade-chave
  • Recursos principais
  • Parcerias principais
  • Estrutura de custos

O que importa aqui é responder ao primeiro item. Para tanto, as principais perguntas são: Quem são os seus clientes? O que eles pensam, sentem, enxergam ou fazem? Ter clareza sobre isso traz informações valiosas sobre seus clientes e seu mercado de maneira geral.

Planos de negócios para startups

Planos de negócio são ferramentas que ajudam o empreendedor a planejar gastos e prever riscos e lucros a partir de projeções da empresa antes mesmo desta entrar em atividade.

Porém, no contexto de startups, devido às altas incertezas, é muito difícil fazer projeções minimamente assertivas. Além disso, o próprio modelo de negócios ainda é nebuloso e passível de mudanças.

Assim, é bom saber que o modelo canvas apresentado acima serve também para estabelecer um plano de negócios. Ele é uma representação visual de um modelo de negócios (sempre passível de mudanças) e garante que todos os seus fatores importantes sejam considerados e analisados.

Missão, visão e valores para startups

Ter a missão, visão e valores de um negócio bem definidos é importante para qualquer tipo de empresa. Com uma startup isso não seria diferente.

A missão de uma empresa diz respeito à razão de sua existência, ou seja, é a definição de seu propósito, ou o que sua empresa faz.

A visão representa onde a empresa quer chegar no futuro. Mas lembre-se de que é necessário pensar em um futuro atingível.

Os valores de uma empresa são seus princípios éticos e que devem nortear seus colaboradores.

O fato das startups estarem lançando produtos ainda na fase de teste não muda a obrigatoriedade da definição da missão, da visão e dos valores.

Precificação de uma startup

A precificação de produtos e serviços consiste em equalizar os valores de modo que o produto ou serviço esteja em um preço adequado para seu público alvo e, ao mesmo tempo, consiga entrar no mercado de modo competitivo.

E como trabalhar a precificação de uma startup, uma vez que startups lidam com produtos lançados em mercados pouco explorados e em um cenário de incertezas?

Publicamos um artigo definindo os 5 pontos essenciais para precificar um produto de uma startups, que incluem calcular custos de produção, avaliar modelos de distribuição (venda direta ou freemium, por exemplo) e custo de aquisição por clientes, entre outros. Confira como tudo funciona aqui.

Marketing para startups

A melhor forma de pensar planos de marketing para startups – que têm a liberdade de usar a infinidade de dados e técnicas de analytics oferecidas pela Internet – é a partir do growth marketing.

O growth marketing é uma estratégia de crescimento que tem como objetivo não apenas atrair clientes, mas sim fazer com que esses clientes se engajem cada vez mais em seu produto, serviço ou marca.

A estratégia pode ser encarada como uma continuação do growth hacking e tem como objetivo trabalhar não apenas o topo do funil, ou seja, gerar leads, mas sim focar na conversão desses leads e trabalhar o engajamento dos clientes que estão em outras etapas do funil.

Para aprender a usar estratégias de marketing de performance para startups, nós da Udacity oferecemos um curso com certificado online criado com grandes empresas do mercado, incluindo Google e Facebook: o Nanodegree Marketing Digital.

A Udacity também oferece um curso livre no YouTube voltando para marketing de apps:

A importância da área de vendas (sales) de uma startup

O time de vendas em uma startup é muito importante, pois é ele que vai oferecer o produto para o mercado, seja num esquema B2B (negócio para negócio), B2C (negócio para consumidor) ou outro modelo.

Por isso, é essencial que ele esteja bem preparado e ciente da etapa em questão do funil de vendas, que representa as etapas de compra de um produto ou serviço. Ter claros quais são os clientes visados e o modelo de negócios é essencial para que o profissional consiga aproveitar ao máximo as oportunidades do mercado.

Para entender mais sobre cada etapa que o constitui é só baixar o Glossário de Marketing Digital elaborado pela Udacity.

Por que a experiência do usuário é fundamental para startups?

A experiência de usuário, ou user experience (UX), assume um papel fundamental em uma startup, uma vez que os produtos e serviços por startups estão sempre em fase de teste.

O feedback constante do usuário, canalizado na UX, é importante para realizar correções, adequações e devolver o produto para o mercado, uma vez que esses estão sempre em evolução.

A UX em si vai além do aspecto visual de um site, serviço ou aplicativo: a ideia é garantir que tudo seja simples, intuitivo e, se possível, até divertido de usar. Seus profissionais são aqueles que zelam e mais defendem o usuário, visto que tentam imaginar seu comportamento e tornar sua interação cada vez mais satisfatória.

Para entender por que é tão vital para o sucesso de uma startup, basta pensar em sua própria experiência: quantos apps ou sites ruins você já viu? E em quantos já voltou?

Saiba mais sobre UX (e por que ela é diferente de UI) neste artigo.

O que é e como pivotar uma startup

"Pivotar" vem do inglês e significa mudar a direção de uma startup ao perceber que determinado modelo de negócio não está gerando lucro.

A pivotagem de uma startup pode ser feita por meio de um redirecionamento do público alvo, adequação do produto ou de seu preço para atender uma demanda específica, etc. Saiba mais sobre pivotagem acessando este artigo da Associação Brasileira de Startups.

Patentes e propriedade intelectual de startups

Frequente, a patente de uma startup precisa ser registrada pois serve para garantir a propriedade intelectual de uma marca, invenção tecnológica ou produto. O Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) elaborou um guia básico sobre patentes. Confira aqui!

Como criar um pitch deck perfeito para startups

Pitch deck é a apresentação de seu negócio a possíveis investidores para conseguir financiamento. Ele deve ser feito de maneira simples e objetiva, sempre evidenciando seus diferenciais e potenciais.

Toda startup deve elaborar um pitch deck e investir bastante tempo nisso, mas sem se alongar: eles geralmente têm entre 13 e 20 slides e tratam dos seguintes temas:

  • Problema
  • Proposta de valor
  • Modelo de negócio
  • Competição
  • Equipe
  • Fundraising

Este link da ABS oferece diversas dicas para você elaborar um bom pitch deck e traz exemplos práticos que vão de Airbnb a Buzzfeed.

Além do pitch deck, é preciso afiar seu pitch: como você apresenta sua startup oralmente para chamar a atenção, principalmente de potenciais investidores. E é preciso ter versões para diversas ocasiões. Pense em ter pelo menos três: de 30 segundos, 1 minuto e 2 minutos.

br-blog-img10 investimento em startups

Investimento em startups

Como conseguir investidores para startups

As melhores formas de conseguir meios de investimento para uma startup é contando com a ajuda do investidor anjo, uma incubadora de empresas ou uma aceleradora de startup. Veja 6 tipos de investidores abaixo:

Incubadora de ideias

Estágio da startup: novos negócios

As incubadoras existem para apoiar empreendedores que querem amadurecer suas ideias e dar seus primeiros passos, seja na hora de criar ou de desenvolver empresas de pequeno porte.

Aceleradora de startup

Estágio da startup: costumam ser startups que já tiveram seu conceito validado e podem escalar, mas tudo depende da aceleradora

As aceleradoras oferecem um pacote completo, que costuma incluir apoio financeiro, melhoria do plano de negócios, consultoria, mentoria, networking, treinamento e espaço de trabalho. O foco aqui está em empresas com potencial de crescimento rápido, não apenas ideias promissoras.

Investidor-anjo

Estágio da startup: negócios nascentes ou no papel

Investidores-anjo são pessoas físicas que entram com capital próprio para sustentar negócios com alto potencial de retorno, mesmo que ainda estejam no papel. Além do capital, geralmente oferecem apoio intelectual e operacional e acesso à rede de relacionamentos.

Capital semente

Estágio da startup: startups que já possuem produtos ou serviços no mercado e querem expandir sua presença

Startups que já têm certo faturamento mas ainda não estouraram são o principal alvo do capital semente, também conhecido como seed capital. O objetivo é apoiar a operação de startups através do aporte de recursos para melhorar sua gestão estratégica e financeira.

Venture capital

Estágio da startup: startups estabelecidas no mercado e com faturamento expressivo

Quando um negócio já estabelecido e que tem um grau de risco razoável precisa de uma quantidade expressiva de dinheiro, é comum que um fundo de venture capital (ou capital de risco, em português) seja procurado. É um caminho comum para ajudar um negócio a crescer, realizar uma transação grande, fundir-se com outra empresa ou abrir seu capital.

Private equity

Estágio da startup: startups grandes e com faturamento bastante expressivo

Voltado para grandes empresas – algumas com faturamento superior a R$ 100 milhões por ano –, este tipo de investimento tem a intenção de cooperar com operações de fusões & aquisições e de venda do negócio.É mais comum que investidores busquem empresas de capital aberto, prestes a abri-lo ou que estejam em uma fase de crescimento notável.

Há uma explicação mais detalhada sobre cada tipo de investidor em um artigo do nosso blog. Confira!

Como investir em uma startup

Para quem deseja investir em startups, aqui está uma lista das principais formas:

Equity Crowdfunding

Associação de investimento colaborativo (crowdfunding) que tem como objetivo impulsionar o investimento para criação e consolidação de startups.

Anjos do Brasil

Organização sem fins lucrativos que tem como objetivo fomentar o crescimento do investimento anjo no Brasil.

ABStartups - Programa para investidores

Programa de investidores exclusivo para associados da Associação Brasileira de Startups (ABStartups) que tem como objetivo realizar encontros com investidores e startups.

br-blog-img11 melhoresstartupstrabalhar

As melhores startups para trabalhar

A LoveMondays fez uma lista das melhores startups para trabalhar a partir dos quesitos “remuneração e benefícios”, “oportunidades de carreira”, “cultura da empresa” e “qualidade de vida”.

São startups com projetos bem sucedidos, que oferecem bons salários, benefícios e que possuem um clima de descontração ideal para perfis inovadores. Confira seus pontos de destaque:

Ebanx: empresa que oferece soluções de pagamento simples e seguro para plataformas digitais. Oferece vale refeição, plano de saúde e bolsa-auxílio de custeamento de estudos.

Creditas: fintech de plataforma de crédito bancário. Além de oferecer ótimos benefícios, oferece também aulas de inglês in-company e possui plano de carreira consistente.

Beleza na Web: empresa de e-commerce de produtos de beleza. Ideal para quem se identifica com a temática. Empresa com bons salários e benefícios.

99Taxis: empresa da área de transporte realizado por automóveis com ambiente descontraído e inovador.

QuintoAndar: empresa inovadora no campo de locação de imóveis. Além de oferecer benefícios, a QuintoAndar tem uma cultura excelente e bons planos de carreira.

Loggi: startup que atua no ramo de entrega de produtos e serviços. Possui uma boa política de remuneração e benefícios.

VivaReal: também do mercado imobiliário, a VivaReal é um portal de imóveis disponíveis para venda ou locação. Ganha pontos no quesito “cultura da empresa” e “qualidade de vida”.

Nubank: banco de clima descontraído e dinâmico. Possui uma boa política de remuneração e benefícios, além da cultura da empresa ser muito diferente da dos bancos tradicionais.

Udacity Brasil