17 de mai de 2018

IBM Watson: tudo sobre a plataforma de inteligência artificial da IBM

Leia mais

Foto: IBM Watson

Udacity Brasil

Foto: IBM Watson

O IBM Watson (ou Watson da IBM, em bom português) tem aparecido bastante na mídia. Seja para ajudar a encontrar mutações genéticas relacionadas a câncer ou criar trailers de filmes, ele tem se revelado uma ferramenta extremamente potente de inteligência artificial – ou, como a empresa prefere, de “computação cognitiva”.

Mas afinal, o que é o IBM Watson? Segundo definição da própria companhia, trata-se de uma plataforma tecnológica que utiliza processamento de linguagem natural e machine learning para gerar conhecimento e tomar decisões com grandes quantidades de dados, incluindo do tipo não estruturados (como gráficos, imagens e sons).

IBM Watson: como funciona e como usar?

De maneira resumida, o IBM Watson é uma plataforma de inteligência artificial multiuso que torna possível “ensinar” computadores a realizar uma série de tarefas complexas.

Tudo funciona a partir de um conjunto de ferramentas de inteligência artificial (especialmente processamento de linguagem natural e machine learning, ou aprendizagem de máquina) que podem gerar mais insights de seus dados, automatizar tarefas repetitivas com mais qualidade e até criar programas capazes de realizar trabalhos que normalmente não são esperados de uma máquina.

Usar o IBM Watson, assim como usar outras plataformas de inteligência artificial, requer duas coisas: primeiro, um conhecimento sólido de programação; segundo, uma boa quantidade de dados.

Da maneira como funciona, o IBM Watson exige um volume inicial de dados para começar a ser "treinado". Uma vez que isso tenha sido feito, o sistema é capaz de realizar uma tarefa. E as possibilidades são inúmeras e frequentemente funcionam dos dois lados da mesa: ele pode, por exemplo, auxiliar atendentes de chat online ou ser treinado para funcionar como um chatbot.

Leia: 10 tecnologias promissoras em 2018, segundo o MIT

Nesse segundo caso, ele usa os dados de seu conjunto de treinamento para dar a melhor resposta possível a qualquer pessoa que entre em contato com ele. E com base no retorno de suas interações, ele vai se tornando mais inteligente.

Este é apenas um exemplo de como usar o IBM Watson. Outros, mais impressionantes, incluem diagnosticar condições médicas, selecionar fotos de um assunto específico dentre milhões ou mesmo assistir a milhares de trailers de filmes de terror e criar um com base no que aprendeu. Tudo depende da criatividade.

O IBM Watson também é capaz de aplicações jurídicas, voltadas para auxiliar advogados e juízes que lidam com volumes imensos de documentos e textos através de técnicas de processamento de linguagem natural (natural language processing, em inglês).

Acima o trailer de "Morgan", que teve suas cenas selecionadas pela plataforma cognitiva IBM Watson

Aplicações do IBM Watson

Os exemplos citados acima não foram escolhidos à toa: já há casos específicos de aplicações do Watson em diversos setores. E para cada setor, há “módulos” diferentes do Watson, cada um com recursos específicos adequados para suas finalidades: Big Data, medicina, conversação, analytics, educação, entre outros, têm o seu.

Todos esses módulos podem ser acessados por meio da Bluemix, a plataforma de programação na nuvem da IBM. Após acessar o Bluemix, os programadores podem ter acesso às APIs do Watson conforme necessário.

IBM Watson Analytics

O IBM Watson Analytics é uma ferramenta voltada para análise de Big Data que usa machine learning para gerar insights de negócios. Ele consegue apontar tendências e tornar todos os dados de uma empresa facilmente visíveis para quem quiser consultá-los em busca de novas oportunidades. Seu uso é adequado em diversas áreas, como marketing e vendas.

Leia: 3 exemplos de bancos de dados usados no dia a dia por quem trabalha com Big Data

IBM Watson Health

O IBM Watson Health é uma versão do Watson voltada para medicina. É capaz de auxiliar médicos e instituições de saúde a descobrir novos fármacos, melhorar a qualidade de vida dos pacientes e até mesmo dar consultoria a órgão públicos de saúde sobre como mitigar os riscos de doenças.

O IBM Watson da medicina também consegue ajudar médicos a descobrir os tratamentos mais adequados para câncer, por exemplo, revisando centenas de artigos acadêmicos para oferecer a eles os principais achados de cada um.

IBM Watson Conversation

O IBM Watson Conversation também poderia ser chamado de IBM Watson chatbot, visto que é especializado em conversação. Trata-se de uma ferramenta de inteligência artificial da IBM voltada para a criação de assistentes conversacionais e sistemas de interação automatizados.

IBM Watson Education

O IBM Watson Education é uma plataforma de machine learning e inteligência artificial voltada para educação. As ferramentas do Watson Education ajudam a tornar o ensino uma experiência mais personalizada, empoderando professores com mais dados sobre seus alunos. Ele também pode oferecer recursos para os administradores de escolas que evidenciem como otimizar a experiência de professores e estudantes.

Leia: Ciência de dados: tudo sobre a área que está moldando o futuro das organizações

Como o IBM Watson tem sido aplicado no Brasil?

No Brasil, o IBM Watson já está sendo usado pelo Hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre. Por lá, a plataforma de reconhecimento de imagens está auxiliando os médicos a diagnosticar e tratar casos de câncer. O vídeo abaixo fala mais sobre o projeto:

Também no Brasil, o IBM Watson já está ajudando advogados a agilizar seus trabalhos. Segundo a própria IBM, um escritório de advocacia do Recife está usando a plataforma para automatizar o preenchimento de dados processuais em seu sistema interno.

Nisso ela se sai melhor do que humanos: segundo o escritório, enquanto humanos conseguem preencher esses dados com 75% de precisão, o Watson da IBM consegue uma precisão de 95%.

Também há casos de uso nacional menos voltados para a produtividade. Um deles foi feito pela Pinacoteca de São Paulo, que colocou o IBM Watson para “conversar” com os visitantes do seu acervo. Usando módulos de reconhecimento de voz, o sistema era capaz de falar com os visitantes, responder perguntas sobre as obras e tornar o espaço mais interativo.

O Watson da IBM em uso na Pinacoteca de São Paulo

Quais os concorrentes do IBM Watson?

Para o IBM Watson, concorrentes são quaisquer outras plataformas de inteligência artificial que possam ser programadas conforme as necessidades dos usuários. E como o Watson na verdade é um conjunto bem grande dessas ferramentas, há diversas organizações trabalhando para competir por este mercado em ascensão.

Há por exemplo o Google TensorFlow, uma plataforma programável e de código aberto de inteligência artificial. A principal diferença entre os dois é que o sistema da Google é mais voltado para cientistas de dados, enquanto que o Watson é mais voltado para os especialistas da área em que será aplicado. Assim, numa batalha “IBM Watson vs Google”, quem sai na frente depende um pouco da sua intenção de uso.

Uma luta do tipo “IBM Watson vs Google Deepmind”, no entanto, seria bem mais acirrada. O Deepmind, outra plataforma da Google, já realizou feitos muito impressionantes, como criar um sistema capaz de derrotar jogadores humanos no jogo milenar de tabuleiro Go, considerado o mais complexo do mundo.

Trailer do filme AlphaGo, que acompanha a trajetória dos engenheiros por trás do sistema

A Microsoft também oferece recursos de machine learning como parte do Azure, seu produto de computação na nuvem. As ferramentas da Microsoft também são bastante robustas e podem ser mais interessantes se você já estiver acostumado com seu ambiente ou dependendo de suas necessidades.

E embora buscas no Google que incluam os termos “IBM Watson vs Siri” ou “IBM Watson vs Amazon Echo” sejam comuns, é complicado comparar o sistema da IBM com os assistentes pessoais da Amazon e da Apple. Embora ambos utilizem inteligência artificial, são recursos com propósitos muito diferentes.

No entanto, o Watson pode ser usado para criar algo no estilo da Siri e da Alexa – e a IBM, sem querer perder chances, anunciou recentemente o IBM Watson Assistant, uma plataforma por meio da qual empresas podem criar suas próprias assistentes virtuais.

Para fins de visualização de dados, há uma frequente comparação online: “IBM Watson vs Tableau”. Faz sentido: o analytics do IBM Watson é uma plataforma de visualização de dados semelhante ao Tableau, que cumpre a mesma função para empresas. A principal diferença está no objetivo de cada um: o Tableau tem um uso específico, enquanto o analytics da IBM é apenas parte de um conjunto de ferramentas.

Baixe este ebook gratuito da Udacity e comece sua carreira em data science

Como aprender a usar o IBM Watson

Se você pretende aprender a usar o IBM Watson, buscar os cursos oficiais (e portanto atualizados) são uma boa opção. Há ainda outros recursos da IBM que podem ser uma ótima opção para quem pretende aprender a usar o Watson, como eventos de formação técnica, palestras e outras oportunidades para se aprofundar no tema.

Veja três opções de cursos online oficiais sobre funções do IBM Watson abaixo:

Um guia do desenvolvedor para Internet das Coisas (IoT)

A IBM oferece aulas sobre as ferramentas de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) do Watson. O curso pode ser feito gratuitamente na plataforma Coursera e um certificado de conclusão está disponível mediante pagamento de uma taxa. Saiba mais aqui.

How to Build a Chatbot Without Coding

A ideia aqui é aprender a criar chatbots úteis sem precisar programar, utilizando apenas as ferramentas visuais do Watson Assistant e um plugin de Wordpress que as transfere para seu próprio site. O curso pode ser feito gratuitamente na plataforma Coursera e um certificado de conclusão está disponível mediante pagamento de uma taxa. Saiba mais aqui.

Applied AI with Deep Learning

O objetivo deste curso – voltado principalmente para cientistas de dados – é aprender os fundamentos de álgebra linear e redes neurais de deep learning. Ao longo das aulas, é possível aprender a usar frameworks de deep learning como TensorFlow, PyTorch, Keras e Apache SystemML e construir seus próprios modelos. O curso pode ser feito gratuitamente na plataforma Coursera e um certificado de conclusão está disponível mediante pagamento de uma taxa. Saiba mais aqui.

Leia também:

Udacity Brasil